“Vamos segurar o último barrote se a UE se desmoronar”, revelou Orbán Viktor em Kötcsé

por LMn | MTI

A vacinação funciona, a Hungria funciona, e devemos continuar neste caminho, disse o Ministro de Estado para os Assuntos Parlamentares e Estratégicos do Gabinete do Primeiro Ministro no programa semanal da Rádio Kossuth.

Ao rever o Piquenique dos Cidadãos organizado pela Fundação Civic Hungria em Kötcsé, em Somogy, no sábado, Balázs Orbán salientou que “entrámos na era das epidemias e das migrações populacionais”, e os países devem estar preparados para isso.

Falando da epidemia do coronavírus, salientou que a vacinação funciona, a Hungria funciona, e temos de continuar neste caminho. Ficou provado que a arma mais eficaz contra o coronavírus não são as restrições mas sim a vacinação, pelo que o programa de vacinação tem de ser feito com sucesso através de cada vez mais ações, e não pensando em termos de encerramentos, disse ele.

Salientou também que a União Europeia tinha sido o “quadro mais viável” para os húngaros nas últimas décadas, mas que ao mesmo tempo havia “enormes desafios”, com forças políticas, burocratas de Bruxelas, grupos liberais de esquerda, redes de ONGs e meios de comunicação social que estavam a agitar conflitos ideológicos, que ameaçavam provocar o colapso da UE. Neste contexto, Balázs Orbán mencionou o desafio da migração, a questão do género e o fardo financeiro da luta contra as alterações climáticas.

Em vez de tudo isto, deveríamos estar a falar da razão pela qual a UE está a enfraquecer no espaço geopolítico, da sua capacidade de afirmar os seus interesses está a diminuir e dos seus problemas de competitividade, disse ele.

Balázs Orbán disse: é evidente que a maioria dos países beneficia da adesão à UE, mas a zona euro está “a ranger e a estalar” e não há uma resposta adequada de Bruxelas.

O Primeiro-Ministro Viktor Orbán disse que “mesmo que a UE se desmorone, estaremos entre os últimos a ir, seguraremos a última trave e trabalharemos para parar e inverter a desintegração”.

O político também apontou a perspetiva de uma grande onda de migração do Afeganistão. O problema é que a UE continua dividida sobre a questão da migração, acrescentou ele. Sublinhou que enquanto cada vez mais Estados membros dizem que as fronteiras devem ser protegidas em comparação com 2015, o “lado liberal pró-imigração está a tentar impor a sua vontade aos outros”.

Eles não terão sucesso, mas ao mesmo tempo as divisões que estão a criar são “uma espécie de linha lateral” para toda a comunidade, disse ele. Voltando às eleições parlamentares do próximo ano, disse que o Sr. Orbán tinha delineado uma estratégia “muito complexa, e complicada”, que resumiu como “nós ganhamos, eles perdem”. Este é o plano de guerra”.

 

MTI/Máthé Zoltán.

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade