Vacinação em massa pode parar as mutações – Katalin Karikó criadora da vacina Pfizer

por LMn

Katalin Karikó, a bioquímica húngara que foi crucial na criação da vacina da Pfizer-BioNTech, encontra-se atualmente na Hungria até 27 de maio. Embora a sua agenda e responsabilidades de trabalho a tenham mantido muito ocupada, desde que chegou falou na Academia Húngara de Ciências (MTA), deu entrevistas aos meios de comunicação social húngaros, e encontrou-se com o reitor da Universidade de Semmelweis, Béla Merkely.

No seu discurso para a 194ª conferência da Academia Húngara de Ciências (MTA), Katalin Karikó falou sobre o seu percurso profissional, que começou na Universidade de Szeged, e deu pormenores sobre o know-how científico da tecnologia do ácido ribonucleico mensageiro (mRNA). Foram as décadas de trabalho árduo de Karikó que levaram a que esta tecnologia se tornasse a base da vacina contra o coronavírus da Pfizer-BioNTech.

Após a sua apresentação, Karikó falou com Telex e InfoRádió sobre uma série de tópicos relacionados com vacinas, a pandemia, e a tecnologia mRNA em geral.

Quanto tempo dura a imunidade?

Um tópico notável desde há muito tempo é o tempo que as vacinas contra o coronavírus fornecem a imunidade. Karikó salientou que embora seja muito difícil determinar isto neste momento, estima-se que a vacina fornece imunidade durante pelo menos seis meses, se não mais.

Mas não faria sentido eu dizer que somos imunes durante 5 anos, como é que eu saberia? Esse tempo ainda não decorreu”.

Karikó disse ao InfoRádió que uma boa medida de quanto tempo dura a imunidade é verificar se as pessoas que foram vacinadas apanharam ou não o vírus, e em caso afirmativo, quanto tempo após a sua vacinação. Caso contrário, o fator determinante é o tempo.

A redução de anticorpos é uma ocorrência natural para todas as vacinas, disse Karikó, mas isto não significa necessariamente que a imunidade desapareça subitamente. A cientista húngara trouxe à tona a imunidade celular, onde certas células aprendem a defender-se contra o vírus, e mesmo com um menor número de anticorpos, são capazes de combater o coronavírus muito tempo após a inoculação, se necessário.

Derrotar o vírus coronavírus

Relativamente ao perigo das variantes de Covid, Karikó disse que estas mutações podem muitas vezes funcionar contra o vírus. Os testes atuais mostram que as mutações duplas podem, em alguns casos, diminuir as capacidades do vírus, ou simplesmente torná-lo semelhante à estirpe Wuhan original.

A imunidade do rebanho é o que seria verdadeiramente ideal, disse Karikó. Embora não quisesse especular sobre quando os países atingiriam este nível de imunidade, ela enfatizou que quanto mais pessoas tiverem anticorpos e imunidade celular, menos hipóteses o vírus tem de sofrer mutações. O objetivo, disse ela, é manter o número de anticorpos elevado para que o vírus desapareça completamente.

A segurança da vacina Pfizer-BioNTech

Atualmente apenas adultos estão a ser vacinados contra o coronavírus, uma vez que a segurança das vacinas ainda não está confirmada nas crianças. Embora a vacina Pfizer-BioNTech seja segura para uso em adolescentes entre os 16-18 anos de idade, Karikó disse que a empresa está atualmente a testar a vacinação para crianças entre os 11 e os 15 anos, bem como para os menores de 11 anos. Até agora, os testes parecem promissores.

Um dos benefícios notáveis das vacinas mRNA, disse Karikó, é que são muito mais fáceis e mais rápidas de produzir. Enquanto outras vacinas requerem uma versão inativada do coronavírus ou um adenovírus modificado, a vacina da Pfizer-BioNTech pode ser montada num laboratório sem a necessidade de células ou bactérias estranhas.

A política na Ciência e a Pandemia

Telex perguntou a Karikó sobre a controversa tabela de vacinas que foi publicada pelo governo, à qual ela comentou que, com base na tabela, qualquer pessoa que se registou para uma vacinação Pfizer estava “essencialmente a assinar o seu desejo de morte”.

Brincadeira à parte, a bioquímica disse que lamentava ter reagido à mesa do governo, uma resposta que tinha escrito quando estava meio a dormir.

Uma colega minha disse uma vez: não fiquem presos a qualquer tipo de questão política, não façam parte dela, porque eles vão puxar-vos para dentro, e não importa o que digam, eles vão criticar”.

Karikó levantou que a polarização é uma grande questão em todo o mundo, tal como acontece na Hungria, entre o governo e a oposição. Ela deseja que seja alcançado algum nível de diálogo civil, uma vez que a relutância em considerar ambos os lados de uma discussão pode resultar num estado de visão de túnel, o que não ajuda ninguém.

O Futuro da Tecnologia mRNA

Karikó é muito otimista quanto ao futuro da tecnologia em que tem trabalhado durante décadas. Como se trata de uma nova tecnologia, a maior parte da sua utilização foi notada no coronavírus, mas uma vez que a epidemia tenha morrido, disse ela, a Pfizer-BioNTech tem planos para ajudar a combater outras doenças autoimunes, possivelmente até o cancro.

Karikó disse que os ensaios com animais indicam que o mRNA pode ser eficaz no tratamento de esclerose múltipla e artrite. Poderia também, ao proporcionar imunidade celular, ajudar o corpo a combater o cancro.

Karikó enfatizou que a tecnologia mRNA é única uma vez que é adaptável ao indivíduo. O mRNA injetado no organismo pode adaptar-se às condições ou mutações celulares de uma condição individual. Um desenvolvimento que seria especialmente importante para a tecnologia do mRNA seria assegurar que a molécula só entra em células específicas.

Estes são os desenvolvimentos mais importantes para o futuro, uma vez que já sabemos como fabricar mRNA, e como projetá-lo para criar múltiplas proteínas. O que ainda não sabemos é como atingir o ponto em que apenas entraria em células específicas, evitando outras”.

Encontro com o Reitor Semmelweis

Além das suas entrevistas, a vice-presidente da BioNTech levou algum tempo a visitar Béla Merkely, reitor da Universidade de Semmelweis, em Budapeste.

De acordo com o post de Merkely no Facebook, primeiro mostraram Karikó a clínica da universidade enquanto discutiam vacinas, RNA de mensageiro, e as futuras oportunidades terapêuticas do mRNA. Graças à experiência de Karikó em cardiologia, os dois estão a planear uma cooperação científica mútua.

Depois de ver Merkely concluir uma operação cardíaca e assistir a uma reunião clínica epidémica de quatro universidades, Karikó recebeu uma medalha de prata do reitor. A medalha, que representa os duzentos anos de Ignác Semmelweis, foi entregue a Karikó pelo seu trabalho excecional na luta contra o coronavírus.

Fonte: Hungarutoday.hu

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade