Soldado Milhões e Variações no Festival de Cinema de Língua Portuguesa

por João Miguel Henriques

Não obstante recentes desafios e diferenças, inevitavelmente decorrentes da diversidade cultural que a caracteriza, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa tem globalmente produzido colaborações interessantes, de que pode ser orgulhoso exemplo a cooperação existente entre os países lusófonos com representação diplomática em Budapeste. Angola, Brasil, Portugal e mais recentemente também Cabo Verde, país representado por um cônsul-honorário na capital húngara, têm ao longo dos anos unido esforços na promoção da língua portuguesa e divulgação do mosaico de culturas do espaço lusófono. Na Hungria, país membro observador da CPLP, apesar do interesse e por vezes entusiasmo em relação às culturas lusófonas, continua a existir ainda algum desconhecimento ou no mínimo ideia imprecisa relativamente a esta insuspeita e exótica comunidade de países. Daí a importância de a CPLP assinalar todos os anos o 5 de Maio, Dia da Língua Portuguesa, celebração que em Budapeste se associa invariavelmente ao Departamento de Língua e Literatura Portuguesa da Universidade Eötvös Loránd.

Outra das importantes atividades em que Angola, Brasil, Portugal juntam esforços é precisamente o Festival de Cinema de Língua Portuguesa, que este ano, por motivos óbvios, decorrerá online entre os dias 9 e 13 de Dezembro. Como já aqui fizemos referência, nessa semana cinco filmes serão disponibilizados gratuitamente ao ritmo de um filme por dia, das 12:00 de um dia até às 12:00 do dia seguinte, permanecendo cada filme disponível para visionamento durante 24 horas. O link para o visionamento de cada filme será fornecido em resposta a um e-mail que os interessados deverão enviar para: festivalcinemabudapeste@gmail.com. Todos os filmes são em língua portuguesa, com legendas em inglês. De produção portuguesa, estreiam em território húngaro (se assim podemos dizê-lo) os filmes Soldado Milhões e Variações, dois biopics que a seu modo marcaram a recente produção cinematográfica nacional.

Soldado Milhões, de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, conta a história de Aníbal Augusto Milhais, herói do Corpo Expedicionário Português na Primeira Guerra Mundial e sobrevivente da batalha de La Lys, na qual se notabilizou no combate solitário frente a um regimento de soldados alemães, para salvar os companheiros em retirada. Após o conflito, este simples transmontano, que nada mais queria do que viver em paz, será perseguido até ao fim por uma aura institucional de heroicidade, atribuída pelos que matou em nome de Portugal.

Com Variações, do realizador João Maia, avançamos algumas décadas no século XX português, para chegarmos ao país democrático do pós 25 de Abril. É aí que vamos conhecer António Ribeiro, barbeiro e figura da movida lisboeta no final dos anos 70, perseguindo o seu sonho de se tornar cantor e compositor, apesar de não saber uma nota de música. O filme foca o processo de transformação na persona de António Variações, artista excêntrico e popular cuja carreira fulgurante foi interrompida pela sua morte em 1984. Com a brilhante interpretação de Sérgio Praia, Variações é uma homenagem a todos os que ainda hoje perseguem os seus sonhos aspirando transformar as suas vidas.

Se juntarmos a estes dois filmes as outras produções que nos chegam de Angola e Brasil, temos um programa bem variado de cinema em língua portuguesa para passar estes serões de inverno frio e escuro. É só escrever para festivalcinemabudapeste@gmail.com, pedir os links de visionamento dos filmes e clicar para que a magia comece. Bons filmes!

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade