Sofi Oksanen: Putin não é louco, apenas acredita nas suas próprias mentiras

por LMn

A escritora diz que a mudança é extremamente necessária em toda a Rússia, mas não basta apenas que o presidente perca o poder.

Uma das figuras mais conhecidas da literatura contemporânea, escrevendo principalmente sobre os papéis das mulheres, a opressão contra as mulheres e os traumas não resolvidos dos antigos países comunistas, Sofi Oksanen, no seu artigo Putin não é louco, publicado no maior jornal sueco Dagens Nyheten, analisa os acontecimentos na Ucrânia a partir de uma perspetiva histórica, concluindo que

o líder russo não perdeu o juízo, simplesmente acreditou nas suas próprias mentiras.

O artigo argumenta que em vez das declarações sobre o suposto estado mental de Putin que têm sido feitas repetidamente nas últimas semanas por psiquiatras e psicólogos de poltrona, é tempo de enfrentar o importante facto de que as ações do Presidente são perfeitamente lógicas do ponto de vista russo, com a sua imprensa controlada pela mão a informar que os soldados estão de facto a libertar a Ucrânia de um regime que se assemelha a um regime nazi e a salvar o povo de Donbass de um genocídio organizado por ucranianos.

Oksanen, citando investigação independente, escreve que mais de dois terços (68%) dos russos inquiridos apoiam ações militares, e porque não o fariam quando os jornais controlados pelo Estado o dizem todos?

Da perspetiva ocidental, claro, estas razões parecem completamente irracionais, porque não só não houve genocídio na Ucrânia, como Volodymyr Zelensky, que é judeu, foi eleito democraticamente.

Os pais e avós da escritora, que viviam na Estónia, faziam parte do mesmo mundo de sonho soviético, escreve ela, mas foram lançados no papel negativo, pois após a ocupação soviética os estónios foram marcados como vilões, nacionalistas e até fascistas, tal como os meios de comunicação russos agora marcam os ucranianos.

Se o governo, as escolas, os meios de comunicação e os tribunais continuarem a dizer a mesma coisa ao longo do tempo, mesmo as gerações, então as frases tornam-se factos aceites.

Após o colapso da União Soviética, a Rússia, ao contrário da Alemanha, não enfrentou o seu próprio passado, pelo que Putin teve um trabalho fácil de despertar a hostilidade do público e de manipular a memória do Holocausto para alimentar o fogo.

Há quinze anos, a Estónia foi vítima de um ataque semelhante: autores que escreviam sobre a história da ocupação, incluindo a própria Oksanen, foram alvo, marcados como nazis e fascistas em imagens online, e até retratados pelos apoiantes de Putin em vários comícios com o símbolo SS e as suásticas, e a situação rapidamente se agravou.

Começaram a negar as deportações em massa do período soviético, a organizar manifestações contra os estónios, e a utilizar imagens dos campos do Holocausto e ao publicar livros e ao utilizar o espaço online e conversas ao vivo, os fóruns Putinistas em todo o mundo têm conseguido fazer com que a reivindicação pareça ser um facto:

os estónios estão a construir campos de concentração para falantes de russo.

Mesmo após refutações, a informação falsa não foi retirada pelos meios de comunicação russos, e as alegações foram inicialmente divulgadas a jornais estrangeiros, que não estavam preparados para campanhas de desinformação.

Esta tentativa, segundo Oksanen, foi realmente apenas um teste à reação dos estados ocidentais, e Putin está agora a fazer o mesmo em maior escala”, lê-se no longo documento, que acrescenta que o estado ucraniano apresentou uma queixa no Tribunal Internacional de Justiça em Haia no final de Fevereiro, alegando que os russos estavam a tentar justificar o ataque militar, manipulando a memória do Holocausto.

“Muitos no Ocidente só se podem rir das reivindicações da liderança russa, mas os meus parentes não, porque corrigir as mentiras do Estado foi um crime na União Soviética, tal como acontece hoje em dia na Rússia. […] Na propaganda de Putin, o patriotismo dos ucranianos em relação ao seu próprio país, língua e liberdade são tudo coisas de que o líder Messiânico deve curá-los, para que possam recuperar o seu antigo lugar como membros saudáveis da família eslava”.

escreve Oksanen, que está convencida de que o desprezo de décadas da União Soviética pelos ucranianos é o culpado dos resultados da guerra até agora,

As forças de Putin não esperavam encontrar qualquer resistência séria.

Segundo a autora, a Rússia continua a operar com base nos princípios estalinistas, uma vez que a guerra não foi justificada pela conquista territorial, mas pela libertação de outros povos, e desde a era Putin esta narrativa patriótica foi reintroduzida no sistema educativo e nos códigos legais.

A batalha da União Soviética de 1941-1945 na Frente Leste contra os países referidos como agressores fascistas foi escrita nos livros de história nas últimas décadas como a Grande Guerra Patriótica, e a versão oficial desta não pode ser refutada, pois é punível por lei, e no início de março a Duma – a Câmara Baixa do Parlamento – também decidiu que o uso das palavras guerra ou agressão

ou a utilização das palavras “guerra” pode ser punida com até quinze anos de prisão, e os meios de comunicação social só podem utilizar fontes noticiosas estatais.

É claro que a antipatia para com os ucranianos na Rússia não tem sido alimentada pelas últimas semanas, uma vez que não era menos forte antes dos combates, quando estavam disponíveis fontes noticiosas independentes, graças ao sistema de educação estatal e aos pais e avós que cresceram sob o comunismo, poucos dos quais encorajaram os jovens a ousarem fazer perguntas.

Os paralelos entre as duas eras não param aí: após a ocupação da Crimeia, os fóruns russos encheram-se de fotografias de crianças entregando flores aos soldados, tal como na era soviética.

De acordo com Oksanen, Putin queria um acolhimento semelhante na Ucrânia, onde

na sua mente, as suas próprias mentiras tornaram-se agora verdades, pois há demasiado tempo que não conhecia fontes noticiosas reais e credíveis.

Na mente da maioria das pessoas, é claro, esta notícia é suficiente para as fazer acreditar nisso:

O objetivo de Putin é restaurar a velha glória, e resgatar pessoas do Ocidente maléfico.

Estas desinformações não desaparecerão mesmo quando a posição do Presidente russo enfraquecer, porque é difícil derrubar paredes já erguidas, porque o seu destino não depende da posição de um homem, ou mesmo da sua queda.

Sem uma mudança ou substituição das forças que mantêm o sistema, a Rússia não mudará, e o número de pessoas que vêem os crimes de Estaline contra a humanidade como crimes está constantemente a diminuir.

– a autora escreve, e conclui:

Se pensarmos no tempo que o mundo ocidental levou para se conformar com o seu passado colonial, e a que custo, é mais fácil compreender o trabalho que a Rússia terá de fazer. O caminho mais provável é que a Federação Russa se desmorone antes que isso aconteça.

 

Artigo originalmente publicado em https://24.hu/

Tradução e Edição: ARivotti|LMn

 

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade