Raquel Matavele: Cientista moçambicana ganha prémio da UNESCO com tratamento para covid-19

por LMn

A bióloga e investigadora moçambicana do Instituto Nacional de Saúde, Raquel Matavele, foi distinguida com o prémio Early Career Fellowship, iniciativa da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO.

Raquel Matavele ficou entre as 15 investigadoras do continente africano e da região da Ásia-Pacífico vencedoras do prémio, de 50 mil dólares (42,3 mil euros), ao qual concorreu com um projeto relacionado com potenciais tratamentos para covid-19 em populações residentes nas zonas tropicais de África, através de plantas nativas para controlar a resposta inflamatória exacerbada que ocorre em casos graves, refere a nota do Instituto Nacional de Saúde (INS).

“Ao prémio em alusão candidataram-se investigadoras de cerca de 60 países de todos os continentes”, acrescenta o INS.

O Presidente de Moçambique já deu os parabéns à cientista. Numa nota divulgada através do facebook, Filipe Nyusi indicou “Parabéns, Raquel Matavele Chissumba, e a todos os investigadores moçambicanos que incansavelmente trabalham para trazer respostas aos problemas que nos afligem!”

LUSA

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade