Queijo Serra da Estrela, um emblema regional feito por mãos femininas

por LMn
image_pdfimage_print

Indispensável em dias de festa, símbolo de uma região e de um país, o Queijo Serra da Estrela é o mais antigo dos queijos portugueses. Natália Lopes, queijeira desde tenra idade, produz o leite, a flor do cardo e mantém viva, com orgulho, uma tradição familiar. “Da Terra à Mesa” é um projeto Boa Cama Boa Mesa que dá a conhecer os produtos portugueses a partir de histórias inspiradoras e de sucesso, desde a produção até ao consumidor, em casa ou no restaurante.

Emblema da região Centro e da gastronomia de um país, “o Queijo Serra da Estrela DOP é obtido a partir de leite cru de ovelha, da raça Bordaleira da Serra da Estrela ou Churra Mondegueira”, provenientes da serra. É um queijo curado, “que pode apresentar pasta semi-mole amanteigada e cor branca amarelada (Queijo Serra da Estrela) ou pasta semi-dura a extra-dura de cor laranja acastanhada (Queijo Serra da Estrela Velho)”, segundo informação fornecida pela Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural.

Produzido nos concelhos de Carregal do Sal, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde, Manteigas, Nelas, Oliveira do Hospital, Penalva do Castelo, Seia, Aguiar da Beira, Arganil, Covilhã, Guarda, Tábua, Tondela, Trancoso e Viseu, nos distritos de Viseu, Coimbra, Guarda e Castelo Branco, é obtido através da “ordenha manual das ovelhas, seguida da filtração do leite através de panos brancos”. Depois, “o leite é aquecido até aos 28-32 ºC e salgado”, adiciona-se a flor do cardo e realiza-se “o corte manual da coalhada e uma nova filtração, de forma a remover o soro restante”. A maturação ocorre em duas fases, com viragens e lavagens diárias, com o tempo mínimo de 120 dias.

Natália Lopes, queijeira desde os 14 anos, é natural de Sabugueiro, mas vive em Santiago, ambas freguesias de Seia, há mais de 30 anos. “A minha mãe fazia queijo e o meu pai era pastor.” Com 58 anos e sem certificação no seu queijo de ovelha amanteigado, defende que “quem o certifica é o […]

Continue a ler este artigo em Expresso.

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade