Problemas nas relações húngaras com a Alemanha Post-Merkel?

por LMn

Os analistas da direita receiam que o novo governo alemão de esquerda-liberal critique duramente a Hungria e tente invadir a soberania nacional. Os comentadores da ala esquerda estão menos do que certos de que a Alemanha se tornará mais crítica em relação à Hungria do que sob a Chanceler Merkel.

MAGYAR NEMZET

László Szőcs do Magyar Nemzet receia que as relações germano-húngaras se tornem mais difíceis. O colunista pró-governamental atribui a vitória da esquerda a Angela Merkel, que, segundo Szőcs, abandonou os valores conservadores e abraçou a política pró-imigração. O governo de Scholz continua na mesma linha, e também apoiará abertamente a teoria do género e tentará criar os Estados Unidos da Europa. Sugere que Annalena Baerbock, a nova Ministra dos Negócios Estrangeiros Verde, será provavelmente uma voz crítica ainda mais firme ao governo húngaro do que o Chanceler Scholz.

168 ÓRA

Em 168 Óra, Richard Szentpéteri Nagy pergunta-se se o novo governo alemão se tornará de facto mais activo na defesa dos valores democráticos e no combate à corrupção na Hungria. O colunista de esquerda receia que tenha havido um acordo tácito entre a Alemanha e o governo húngaro. Enquanto o governo húngaro oferecer subsídios às fábricas alemãs que operam no país, o governo alemão e os eleitores fecham os olhos à corrupção e ao declínio democrático na Hungria, acredita ele. Szentpéteri Nagy pensa que o novo governo alemão pode estar mais disposto a intervir em defesa da democracia, mas mesmo que decida fazê-lo, seria demasiado tarde, uma vez que o governo de Orbán, sugere, conseguiu virar os húngaros contra a Europa “enquanto roubava os contribuintes europeus”.

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade