Portugal: Pandemia não faz esquecer a poluição no Tejo

por LMn | Lusa
O movimento proTejo vai continuar a lutar pela despoluição do rio e dos seus afluentes, anunciou a organização

O proTejo – Movimento pelo Tejo aprovou, em reunião do conselho deliberativo, a estratégia e a programação das atividades para este ano.

“O movimento proTejo centrará a sua atuação durante o ano de 2021 na mobilização e sensibilização dos cidadãos da bacia do Tejo para a despoluição dos afluentes do rio Tejo, para defenderem a biodiversidade de um rio Tejo e afluentes livres de barragens e açudes, com dinâmica fluvial adequada à preservação dos fluxos migratórios das espécies piscícolas e ao usufruto das populações ribeirinhas”, refere, em comunicado.

O movimento defende também a definição de caudais ecológicos nos planos de gestão da região hidrográfica (2022/2027), “nomeadamente à entrada do rio Tejo em Portugal na barragem de Cedilho e na Ponte de Muge, atuais pontos de controlo dos caudais mínimos da Convenção de Albufeira”.

Entre as iniciativas previstas para este ano está a divulgação do memorando “Por Um Tejo Livre” junto de pescadores, comunidade científica, associações, empresários regionais, instituições governamentais, organizações não-governamentais e autarquias até maio, estando prevista uma conferência de imprensa por videoconferência para o seu lançamento no dia 29 de janeiro.

Entre outras, está também prevista a apresentação de “alegações na participação pública do projeto de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo, a ser apresentado pela Agência Portuguesa do Ambiente em janeiro de 2021”.

ALU // ROC

LUSA

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade