Pode ser a morte das termas húngaras

por LMn

As piscinas termais e spas são locais importantes na Hungria desde a Antiguidade, quando os romanos ocuparam partes da Hungria (Panónia).

Faz parte da cultura desde então e também é uma atividade popular para turistas que visitam Budapeste, por exemplo.

Escrevemos muitos artigos e recomendações sobre eles no passado, mas, infelizmente, essa longa tradição e uma das características mais importantes do turismo, tanto estrangeiro quanto doméstico, foi duramente atingida pela pandemia que assola o mundo atualmente.

Muitos dos banhos termais e spas dependem principalmente de turistas estrangeiros, especialmente em Budapeste, mas desde a primeira onda da pandemia COVID-19, as medidas introduzidas para desacelerar a pandemia deixaram uma marca em muitos deles.

Na primeira onda, quase todos esses lugares foram fechados por tempo indeterminado. Muitos deles reabriram lentamente durante a temporada de verão, mas com capacidade limitada. Embora a crise sanitária tenha trazido consigo um boom do turismo doméstico na Hungria, o orçamento de muitas pessoas foi cortado devido às incertezas nos seus locais de trabalho, de modo que o turista médio não gastou tanto.

O encerramento das fronteiras e a falta de motivação para viajar afetaram muito o turismo estrangeiro, mesmo depois de as medidas terem sido atenuadas em muitos lugares do mundo, durante a temporada de verão.

A temporada teria sido especialmente importante para spas e banhos termais. De acordo com informações da CGTN, se esses estabelecimentos húngaros não receberem nenhum financiamento do governo, dois terços deles podem fechar na próxima temporada de verão.

Gellért Thermal Bath, Budapest, Hungary

Attila László Boros, o CEO da Hungary Spa Association, disse que: “no verão, 40% de nossa receita anual havia acabado e, no final do ano, 70% das receitas desaparecerão em alguns dos spas”. A CGTN diz que, embora durante a primeira onda da crise, os spas recebessem alguns recursos “para pagar salários e tivessem uma moratória para o reembolso de empréstimos”, alguns deles ainda tiveram que despedir alguns de seus funcionários.

Boros acrescentou que “os spas na Hungria empregam 18.000 pessoas no total. Desse total, 4.700 pessoas serão demitidas até o final do outono”.

As piscinas termais, embora as pessoas as usem principalmente para relaxar, são mais do que isso. Antes da pandemia, esses eram locais de socialização. Infelizmente, muitas pessoas têm medo da pandemia de COVID-19 e nem vão a esses lugares.

Lukacs Baths disse à CGTN que eles não sentiram o efeito da pandemia tanto quanto os outros, graças ao fato de que sua clientela é principalmente local. “Temos como hóspedes principalmente moradores locais”, diz Dániel Nagy, gerente da Lukacs Baths. “Existem muitos artistas, músicos, escritores e poetas que vêm aqui. Muitos deles são frequentadores assíduos, que vêm aqui todos os dias do ano ”. Anikó Reinhold, frequentador assíduo, disse à CGTN que: “esta não é uma época fácil para as pessoas”.

Fonte: Newseu.cgtn.com/dailynewshungary

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade