Pica-Pau Verde (Zöld Küllő) eleito ave do ano na Hungria

por LMn | MTI

O Pica-Pau Verde foi eleito Ave do Ano pela Sociedade Húngara de Ornitologia e Conservação da Natureza (MME).

O MME lançou a campanha Ave do Ano em 1979, que visa apresentar espécies e grupos de aves afetados por problemas de conservação a um nível social. No Verão do ano passado, a última etapa de um programa que tem vindo a decorrer há mais de quatro décadas, o público teve mais uma vez a oportunidade de escolher entre três espécies – o pássaro azul, a garça vermelha e pica-pau verde – para marcar a ocasião. Na votação online, pica-pau de asa verde recebeu o maior número de votos, tornando-o a ave do ano deste ano, disse a associação ao MTI na segunda-feira.

O Pica-Pau Verde mede 30-36 centímetros de comprimento, com uma envergadura de asa de até meio metro. A espécie encontra-se principalmente nas florestas decíduas da Europa, e devido às suas necessidades de habitat prospera nas nossas vilas e cidades, mesmo nas grandes cidades com parques arborizados.

Para além da dieta clássica de larvas, o pica-pau verde alimenta-se principalmente de formigas (insetos adultos, larvas e minhocas), que recolhe no solo ou escavando profundamente nos túneis com a sua língua que pode ser estendida para além do comprimento do corpo.

Reproduz-se nas tocas, pondo uma ninhada de 5-7 ovos por ano. Trata-se de uma ave residente, casais que permanecem na área de reprodução ou perto dela basicamente durante todo o ano, mesmo durante o período de repouso, com as aves jovens a migrarem geralmente em distâncias mais longas.

É uma ave protegida com um valor de conservação de 50.000 HUF.

A população nacional é estimada em 8-12 mil casais e é estável e crescente a cada ano. Devido ao seu habitat e hábitos de reprodução em árvores, é ameaçado pelo abate, limpeza e desbravamento de faixas florestais para proteção do campo.

No seu habitat comum, a sua presença é de particular importância para a conservação da salamandra altamente protegida, que é incapaz de fazer as suas próprias tocas, e para a sobrevivência de espécies com histórias de vida semelhantes, tal como o cuco de espiga.

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade