Péter Szijjártó: Hungria e Portugal podem trabalhar juntos por uma estratégia da UE para África

por admin

Embora a Hungria e Portugal sejam diferentes em muitos aspetos, ambos os países têm interesse em implementar uma estratégia eficaz da UE para a África, afirmou o ministro húngaro dos Negócios Estrangeiros, Péter Szijjártó.

Relatando a visita do chefe do ministério a Lisboa, ele explicou: Hungria e Portugal são dois países com localizações geográficas completamente diferentes, suas histórias também são completamente diferentes e, como resultado, muitas questões internacionais são vistas de forma diferente. No entanto, isso não impede a cooperação em questões internacionais que são importantes e até estrategicamente importantes para a Hungria, ressaltou.

Ele enfatizou que existiam diferentes pontos de vista em relação à migração, mas havia um ponto em que a implementação seria de grande ajuda também para a Hungria. Portugal gostaria que a União Europeia elaborasse uma estratégia realmente eficaz para África, e a Hungria também está interessada nisso, uma vez que uma das ferramentas contra a pressão migratória na Europa é proteger as fronteiras, e a outra para impedir as saídas de África, referiu.

Avançou ainda que isso pode ser evitado através da implementação de programas de desenvolvimento em África, tanto económica quanto socialmente, que deixam claro que o futuro do povo africano está em África, para que eles não se sintam motivados a migrar massivamente rumo à Europa.

Péter Szijjártó enfatizou, que a Hungria está pronta para participar ativamente nesse processo. Portanto, se a UE, com o apoio de Portugal, puder criar uma estratégia verdadeiramente eficaz para África, será possível impedir uma grande saída de lá para a Europa, explicou.

O ministro das Relações Exteriores também falou que a economia é uma área importante da cooperação bilateral. A Richter possui uma fatia significativa do mercado português, os produtos da Hell são comercializados aqui em milhares de locais, sendo que foi criado um fundo comum de 20 milhões de euros para apoiar pequenas e médias empresas húngaras e portuguesas que obtêm sucesso na transição digital.

Também referiu que agora a cooperação está a ser expandida com outra indústria de alta tecnologia, a indústria espacial. Portugal está a trabalhar seriamente no desenvolvimento de satélites e capacidades de lançamento, e a Hungria também está trabalhando no seu próprio programa espacial: dois pequenos satélites já estão no espaço, o terceiro está prestes a ser lançado e, a partir de 2024, terá o direito de lançar em órbita um satélite de maior dimensão. Também é extremamente importante para o seu futuro, e um acordo de cooperação já foi assinado, disse o chefe do ministério.

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade