Peixe do Lago Balaton pode voltar à mesa dos consumidores

por LMn | MTI

O pescado do Lago Balaton poderá novamente regressar à mesa dos consumidores graças ao facto da empresa estatal de aquacultura poder vir a desenvolver atividades em cinco unidades piscícolas em mais de 1.000 hectares de aquíferos, disse o Presidente da República num episódio do podcast Planeta Azul publicado na segunda-feira.

Continuando a sua conversa com Zsolt Szári, engenheiro de pescas, comissário ministerial para a proteção da vida selvagem do Lago Balaton e CEO da empresa, János Áder disse que após uma decisão errada há 20 anos atrás, o Estado tem agora a possibilidade de pode pôr fim ao sério debate sobre a proibição da pesca no Lago Balaton. A empresa de piscicultura é capaz de criar espécies populares como a carpa, o lúcio, e o siluro sem colocar em risco a qualidade da água do lago Balaton.

Zsolt Szári salientou que eles podem facilmente reconstituir os stocks de peixe do Lago Balaton com a área atualmente disponível, e podem levar ao mercado o excedente. O facto do peixe Balaton ter recebido o estatuto de indicação geográfica protegida pela União Europeia há um mês é uma grande ajuda a este respeito, acrescentou ele.

O Chefe de Estado acredita que o objetivo de fazer do Lago Balaton uma das águas de pesca mais populares da Europa está bem encaminhado.

Zsolt Szári concordou, notando que a população de carpas do Lago Balaton é agora elogiada a nível mundial, graças aos resultados das medidas tomadas para proteger os peixes de grande porte.

Falando sobre o seu trabalho como comissário ministerial, Zsolt Szári disse que dentro de um ano, questões como a de saber se vale a pena dragar o leito de Balaton para reduzir a possibilidade de florescimento de algas deveriam ser clarificadas. O clima está a mudar, a área de captação do Lago Balaton é muito pequena e muito frágil, por isso também precisamos de começar a pensar em como gerir o reabastecimento de água do Lago Balaton dentro de 30-40 anos, disse ele.

János Áder sublinhou que a sabedoria popular de que é melhor medir duas vezes do que cortar uma vez é também válida para este trabalho. Decisões precipitadas e irrefletidas relativas ao Lago Balaton, tais como a introdução de outros ciprinídeos e da enguia, tiveram consequências extremamente nefastas, observou o Presidente.

Fonte: MTI

Foto: Facebook Balatoni Hal

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade