Padre húngaro pediu ao Papa Francisco que abolisse o celibato

por LMn

O Padre Péter Cseh em carta aberta – foi largamente publicitada na Hungria – pediu  ao Papa Francisco que o celibato fosse abolido, pois é uma forma de vida pouco saudável.

Na carta, o sacerdote escreveu que ficar sozinho é um defeito que resulta em milhares de outros defeitos. Entre estes referiu o de ter uma amante secreta, o vício, o snobismo e o egocentrismo.

O P. Cseh é um padre da diocese de Pécs e desde 5 de agosto, dirige a paróquia da localidade de Szabadszentkirály.  No que escreveu assume-se como um um padre solitário, por exemplo, praticamente não se encontrou presencialmente com ninguém durante o período da epidemia de coronavírus.

Por causa da solidão, honestamente, ele não pode recomendar esta missão aos jovens, tendo acrescentado que o colapso da diocese nos últimos dez anos não foi devido à fraqueza da Bíblia ou dos evangelhos, mas porque a vida dos padres não é atraente, não atrai os jovens.

Na sua carta o Padre P. Cseh escreveu que, em pelo menos cinco anos, cada clérigo nas dioceses devia escolher uma das seguintes cinco opções:

  • Junta a uma comunidade de clérigos constituída pelo menos por três clérigos
  • Junta a uma comunidade de monges ou outras comunidades que recebem clérigos
  • Pede dispensa do celibato, casa-se e continua a servir como padre
  • Se não quiser ser sacerdote, pode entrar em um status não ativo. Durante esse período, ele não pode servir como sacerdote, não recebe nenhuma recompensa material ou habitação da igreja, mas reserva sua posição clerical. Além disso, com a autorização de um pastor, pode ocasionalmente servir como sacerdote. Finalmente, se ele quiser mudar seu status, ele pode fazer isso a qualquer momento, escolhendo entre as três possibilidades mencionadas acima.
  • Finalmente pode pedir laicização, o que significa que perde o seu estado clerical, mas recebe-a  automaticamente se disser que não gostaria de fazer parte de nenhuma comunidade.

 

Fonte: 24.hu

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade