Os cafés mais míticos de Budapeste

por LMn

Estes cafés localizados em Budapeste têm um interior hipnotizante, e recordam a atmosfera do século XIX. Fornecem serviços maravilhosos, para que possa desfrutar de saborosas iguarias.

Café Centrál

Este café é um lugar icónico em Budapeste. Muitos estudantes húngaros conhecem o café da aula de literatura porque muitos dos poetas icónicos, escritores e jornalistas de que tomámos conhecimento foram clientes frequentes. O café fica perto de duas bibliotecas, e havia uma gráfica a uma curta distância. Assim, o local tornou-se uma espécie de centro inteletual.

Café New York

O palácio de quatro andares era originalmente a sede de uma companhia de seguros. O café ainda se encontra no rés-do-chão. E tal como o Centrál, o New York Café era também conhecido como um local de reunião de intelectuais.

O seu interior é uma grande sala separada em múltiplos espaços por colunas de mármore em forma de espiral. No exterior, onze figuras faunísticas de bronze simbolizam zombaria e sensualidade.

O carácter de El Asmodáj, o antigo espírito do café e do pensamento livre, também é caracterizado. De acordo com lendas urbanas, apoia e inspira artistas. Na realidade, porém, pode ser um espírito maligno. A cafetaria apoiava tanto os escritores que qualquer um podia pedir uma caneta. Mas depois um famoso escritor derramou tinta no sofá cinzento, e isso mudou a regra.

 

Gerbeaud

Em 1858, Henrik Kugler abriu a sua confeitaria. O seu café com chocolate, licores especiais, e bombons atraíram pessoas. Os seus bolos e mignons eram muito populares, e usavam bandejas de papel para embrulhar pela primeira vez na sua confeitaria. Ele ofereceu o gelado mais saboroso da capital. Em 1880, pediu a um famoso pasteleiro de Genebra para recomendar alguém jovem e talentoso para continuar o seu negócio, uma vez que não tinha filhos.

Foi assim que conheceu Emil Gerbeaud que mais tarde se mudou para a Hungria com a sua esposa e cinco filhas. O talento de Gerbeaud era internacionalmente conhecido. Após a sua morte, a sua esposa geriu o negócio, mas mais tarde, a confeitaria tornou-se propriedade do Estado. Em 1995, um homem de negócios alemão comprou o edifício de quatro andares da confeitaria.

Fonte: https://dailynewshungary.com/

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade