Orbán e Biden. As reações dos políticos húngaros à vitória de Joe Biden

por LMn

Agora que já é certo que a eleição presidencial de 2020 nos EUA foi ganha pelo democrata Joe Biden contra o ainda presidente republicano Donald Trump, muitos dos políticos húngaros, ao saberem da notícia deram os parabéns a Joe Biden, o 46º presidente dos EUA.

A diversas reações foram recolhidas e apresentadas pelo site de noticias Telex.hu

No sábado ao fim da tarde todas as agências de notícias dos EUA anunciaram que já era conhecido o resultado das eleições deste ano, com a vitória de Biden. Os principais políticos da oposição húngara e o chefe de comunicações do Fidesz também reagiram.

Assim e segundo o Presidente da Câmara de Budapeste, Gergely Karácsony, Trump foi bom para Orbán, mas Biden será bom para a Hungria.

“Independentemente da filiação partidária, isso pode garantir a todos nós que Biden não ignora ditadores e não vê a política externa como uma transação comercial de valor neutro”, escreveu o PCM de Budapeste.

De acordo com Karácsony, Biden valoriza o Estado de Direito, os direitos humanos e a dignidade humana. “Com Joe Biden, a normalidade retorna à Casa Branca, e mesmo que os graves problemas de nosso mundo não desapareçam de uma só vez, eles terão pelo menos mais uma vez a oportunidade de abordá-los de forma construtiva e em colaboração baseada em valores base  comuns”.

András Fekete-Győr escreveu no Facebook que o pesadelo americano tinha acabado, e voltou-se  para os aspectos internos da vitória de Biden. “Passamos de 4 anos sérios: sob Trump, os EUA – para maior prazer de Viktor Orbán – assistiram quase em silêncio enquanto a Hungria se tornava um ninho para agentes de ditadores orientais, com um banco de espiões russo e uma fábrica de espiões chinesa. É o fim: o governo Biden será o aliado natural do Momentum nos próximos 4 anos ”.

De acordo com o presidente da Momentum, a lição da eleição presidencial dos EUA é que “O falso populismo de Trump e Orbán pode de fato ser derrotado sem políticas extremistas ou demonizando eleitores adversários, com respeito pelos fatos”.

O líder da Coligação Democrática, Ferenc Gyurcsány, escreveu simplesmente “Bem, então tudo bem. Parabéns! É uma verdadeira esperança que o mundo seja um pouco melhor. ”

A vitória de Biden também foi saudada em um comunicado do Jobbik. Segundo eles, com a derrota de Trump, “a mentira populista, enganosa e ignorante manipulação das massas que se tornou uma prática política diária foi derrotada”. O partido também sublinhou que a normalidade e a sobriedade das pessoas prevalecem. “O fato de um número recorde de eleitores americanos ter ido às urnas também significa que não há nada que possa ser feito com as pessoas nos Estados Unidos ou em qualquer outro lugar. A vitória de Biden é uma notícia muito má para os populistas e para Viktor Orbán. ” De acordo com Jobbik, as relações húngaro-americanas podem chegar a um novo capítulo, “finalmente haverá uma oportunidade de quebrar o poder dos déspotas populistas e iliberais junto com os Estados Unidos”.

Ágnes Kunhalmi, co-presidente do MSZP, também deu os parabéns a Biden. Segundo ela, a democracia provou ser o único regime capaz de autocorreção. A política escreveu no Facebook que o povo americano lutou “não para trazer à tona as respostas de exclusão, falsas e egoístas do Trump populista de direita, mas sim aos novos desafios, para reconsiderar os valores mais fundamentais de nossa civilização, como a dignidade humana, respeito mútuo e igualdade. De acordo com Kunhalmi, com esse espírito, em breve chegará também a hora da Hungria.

A LMP também deu os parabéns a Biden, “cuja eleição dá ao mundo esperança de que os Estados Unidos voltem a aderir ao Acordo do Clima de Paris, lutem ativamente para conter as mudanças climáticas que ameaçam nosso mundo e preservem a biodiversidade”, escreveu Erzsébet Schmuck na sua página.

Do lado pró-governo, o diretor de comunicação do Fidesz, István Hollik, compartilhou um post no Facebook, no qual não deu os parabéns ao recém-eleito presidente americano, tendo em contrapartida agradecido a Trump pelos últimos 4 anos. De acordo com Hollik, graças a Trump, as relações húngaro-americanas tornaram-se melhores como nunca anteriormente. “Esperamos que a administração de Joe Biden não prejudique os resultados comuns por razões ideológicas”, acrescentou Hollik.

Tamás Deutsch, eurodeputado do Fidesz no Parlamento Europeu avaliou as eleições americanas do ponto de vista da política interna húngara. “Anteriormente, ganhamos duas vezes com dois terços sob a vice-presidência de Biden. Agora vamos repetir sob a presidência de Biden. ”

Para o Telex.hu, Viktor Orbán estava tão certo da vitória de Trump que não estava preparado para nenhuma outra opção. O resultado também pode prejudicar o Fidesz, porque um dos seus partidos aliados mais importantes da América foi derrotado. 

O resultado também é importante do ponto de vista húngaro, porque o governo e a oposição indicaram claramente em resoluções antes das eleições qual candidato teria o maior prazer em ganhar. Os lideres do Fidesz apoiaram repetidamente Trump e a oposição sublinhou que a presidência de Biden seria melhor para a Hungria.

Viktor Orbán nunca deixou dúvidas sobre a sua posição e reforçou a situação nas últimas semanas quando no final de setembro em entrevista à Reuters disse que estava convencido de que Donald Trump venceria, que não tinha um plano B.

Para tornar sua afirmação ainda mais forte, Orbán disse que ainda estava na política há 30 anos porque sempre confiou em seu Plano A. Desta vez, as suas previsões não chegaram para acertar no resultado final, e as notícias veiculadas pela imprensa próxima do governo também mostram que o Fidesz teve um resultado desagradável nos Estados Unidos.

A fraude é mencionada em vários lugares na mídia governamental, o que também é notável porque essa narrativa é forçada apenas por Trump e pela imprensa de direita mais extremista na América; até Fox News, disse que não havia nenhuma evidência de que houvesse qualquer problema com a contagem de votos em Wisconsin, por exemplo, onde Trump está a exigir uma recontagem. Também se fala na mídia do Fidesz que, sem os votos por correspondencia Trump teria vencido sem problemas, enquanto o voto das cartas é uma prática comum nas eleições dos Estados Unidos, desta vez com tantas pessoas aproveitando a oportunidade por causa da epidemia.

De referir que até a tarde de domingo, a televisão pública nos seus serviços de notícias não disse uma palavra sobre o anúncio da vitória de Biden.

Fonte: Telex.hu https://telex.hu/belfold/2020/11/08/orbanek-b-terv-nelkul-sorosozassal-vartak-az-uj-amerikai-elnokot e Daily News Hungary https://dailynewshungary.com/the-reactions-of-hungarian-politicians-to-joe-bidens-victory/

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade