Orbán e as Sete Leis da Hungria

por LMn

Cem anos após a derrota da Hungria na primeira guerra mundial e do Tratado de Paz de Trianon do pós-guerra, “nós, húngaros, estamos no palco da história europeia como os campeões da sobrevivência”, disse o primeiro-ministro Viktor Orbán, na inauguração do Memorial da Coesão Nacional, nesta passada quinta-feira.

“Não há outra nação no mundo que teria sobrevivido a um século como este”, disse Orbán no memorial na Praça Kossuth de Budapeste, diante de um pelotão de oficiais promovidos no feriado nacional, que celebrava Santo Estêvão, o primeiro rei cristão da Hungria.

A avaliação da Hungria sobre o Tratado de Trianon no centenário da sua assinatura em junho passado, permitiu que a nação declarasse o fim da “era dos cem anos de solidão da Hungria”, disse o primeiro-ministro.

Segundo Orbán, o comodismo, a miopia de horizontes, o facilitismo político, o “viver apenas para hoje”, são perigos recorrentes da história. Enfatizou que a vida é um dever, do qual depende o sucesso ou o fracasso da Hungria.

O Primeiro-Ministro enfatizou:

o egoísmo domina a Europa, mas quem cumprir o seu dever nunca se sentirá sozinho e sem perspetivas.

De acordo com o Primeiro-Ministro, somos atormentados por dúvidas sobre o futuro da civilização europeia e os países do continente estão a caminhar numa direção divisionista. O Ocidente renunciou ao poder da nação, à felicidade do casamento e da prole e à Europa cristã, e ao invés disso, experimentou a migração, uma sociedade aberta e famílias «arco-íris».

O Ocidente perdeu a força de atração.

No seu discurso cerimonial, destacou que existem leis de sobrevivência que devem ser gravadas nos pilares do país:

  • Só estamos em casa enquanto houver alguém para amar.
  • Cada criança húngara é outro posto de guarda avançada.
  • A verdade vale pouco sem poder.
  • Somente é nosso aquilo que podemos proteger.
  • Cada batalha dura até vencermos.
  • As fronteiras são apenas para os países, a nação não as tem.
  • Nenhum húngaro está sozinho.

“Este é o XXI. As sete leis da política nacional da Hungria no século XIX suavam com lágrimas e sangue”, referiu.

 

Crédito imagem: 24.hu

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade