O Plano Secreto Americano para Tornar a Rússia Novamente Grande

por LMn

By Dmitry Orlov

É geralmente uma boa ideia evitar atribuir intenções nefastas a ações explicadas por mera estupidez. Mas este é um caso em que a mera estupidez não pode explicar a longa e constante procissão de erros de política externa ao longo de três décadas, todos eles destinados especificamente a reforçar a Rússia. Não é possível argumentar que um excesso de arrogância, ignorância, ganância e oportunismo político e um défice de analistas de política externa competentes possam produzir tal resultado, pois isso seria essencialmente o mesmo que argumentar que alguns macacos armados com brocas, moinhos e tornos podem produzir um relógio suíço. Mas a única alternativa seria alegar que existe uma rede de agentes do Kremlin escondida nas profundezas do Estado Profundo Americano e que todos eles estão a trabalhar em conjunto para fazer avançar os interesses da Rússia, mantendo meticulosamente uma negação plausível durante todo o tempo e a todos os níveis da operação.

Ostensivamente, o plano era enfraquecer e destruir a Rússia; mas depois, na sequência do colapso soviético, a Rússia estava a enfraquecer e a destruir-se muito bem sozinha, não sendo necessária qualquer intervenção. Além disso, cada esforço dos EUA para enfraquecer e destruir a Rússia tornou-a mais forte; se existisse mesmo um mecanismo de feedback muito rudimentar, teria sido detetada uma discrepância tão vasta entre os objetivos e os resultados da política e teriam sido feitos ajustamentos. Superficialmente, isto pode ser explicado pela natureza da democracia falsa da América, onde cada administração pode culpar os seus fracassos por erros cometidos pela administração anterior, mas o Estado Profundo permanece no poder durante todo o tempo, e seria simplesmente obrigado a admitir a si próprio que existe um problema com o plano de enfraquecer e destruir a Rússia após alguns ciclos deste fiasco desdobrável. O facto de não ter detetado qualquer problema deste tipo traz-nos de volta à suspeita de que existem agentes de Putin a trabalhar incansavelmente nas profundezas do Estado Profundo.

Mas isso é pura teoria da conspiração e não devemos querer chegar perto disso. Basta dizer que, atualmente, não há explicação adequada para o que aconteceu. Após o colapso soviético, muito pouco foi necessário para acelerar ao longo do colapso da própria Rússia. Mas nenhuma destas medidas foi tomada, e as medidas que foram tomadas (com o objetivo ostensivo de enfraquecer e destruir a Rússia) fizeram exatamente o oposto. Porquê? Abaixo estão listadas 10 das iniciativas mais bem sucedidas do que parece ser uma campanha do US Deep State MRGA. Se tiver uma explicação alternativa, gostaria de a ouvir.

1.

Se a Rússia fosse imediatamente aceite na Organização Mundial do Comércio (à qual queria aderir) teria sido inundada por importações baratas, destruindo toda a indústria e agricultura russas. A Rússia iria simplesmente vender petróleo, gás, madeira, diamantes e os seus outros recursos e comprar o que fosse necessário. Em vez disso, os EUA e outros membros da OMC passaram 18 anos a negociar a entrada da Rússia na organização. Quando aderiu, em 2006, restava muito pouco tempo antes do colapso financeiro de 2008, período após o qual a OMC não foi um fator demasiado importante.

2.

Se à Rússia fosse imediatamente concedida a isenção de vistos para o Ocidente (como desejava), a maioria dos russos em idade ativa ter-se-ia rapidamente difundido para fora da Rússia, deixando para trás uma população de órfãos e idosos, tal como tem acontecido com a Ucrânia contemporânea. Depois de perder grande parte da sua população produtiva, a Rússia não teria representado qualquer tipo de ameaça económica ou militar. Em vez disso, nunca foi concedida à Rússia a isenção de vistos e, em vez disso, enfrentou restrições que só aumentaram ao longo do tempo. Até agora, a maioria dos russos internalizaram a ideia de que simplesmente não são desejados no Ocidente e que deveriam procurar a sua fortuna no seu país.

3.

Após o colapso soviético, a própria Rússia desmoronou-se num mosaico solto de centros regionais. Muitos deles (Tatarstan, Bashkortostan, República dos Urais, Chechénia) entretinham noções de secessão. Deixada intocada, a Rússia ter-se-ia transformado numa confederação solta, sem capacidade de formular uma política externa conjunta. Em vez disso, os recursos e mercenários foram injetados na Chechénia, transformando-a numa ameaça existencial à autoridade de Moscovo e forçando-a a tornar-se militarmente assertiva. O facto de voluntários chechenos estarem agora a lutar do lado russo na Ucrânia sublinha o fracasso da política americana para a Chechénia.

4.

Se, após o colapso soviético, a OTAN simplesmente reconhecesse que a ameaça que pretendia combater já não existia e se dissolvesse ou se tornasse simplesmente quiescente, a Rússia nunca teria achado necessário rearmar-se. De facto, a Rússia estava a cortar alegremente os seus navios e mísseis para sucata metálica. Em vez disso, a OTAN viu-se apta a bombardear a Jugoslávia (por uma razão humanitária inventada) e depois a expandir-se implacavelmente para leste. Estas ações comunicaram de forma mais adequada a mensagem de que não era a URSS, e sim o comunismo, que o Ocidente se opunha, mas a própria Rússia. E embora, na altura em que os anos 90 rolaram, não havia muitos russos ansiosos por lutar e morrer pela maior glória do comunismo, a ascensão à defesa da pátria é uma história completamente diferente.

5.

Se a Rússia se tivesse simplesmente deixado sozinha, nunca teria considerado aventurar-se fora do seu já vasto e subpovoado território. Mas depois veio uma provocação: agindo com a sanção dos EUA, as forças georgianas atacaram as forças de manutenção da paz russas na Ossétia do Sul durante os Jogos Olímpicos de Pequim de 2008, forçando a Rússia a reagir. O facto de a Rússia poder desmilitarizar a Geórgia em apenas alguns dias foi um grande impulso de confiança e ensinou-lhe que a OTAN e as forças treinadas pela OTAN são suaves e espontâneas e não constituem um grande problema. O território russo expandiu-se para incluir a Ossétia do Sul, com a Abkhazia a ser lançada como um bónus adicional, abrindo o caminho para uma maior expansão territorial (Crimea, Donbass, Kherson… Nikolaev, Odessa…).

6.

Se os EUA deixassem sozinhos a Síria, um aliado russo próximo durante perto de um século, a Rússia não se teria expandido para a região mediterrânica. Tal como está, o governo sírio convidou a Rússia a ajudá-la a inverter a maré na sua guerra contra o ISIS apoiado pelos EUA e a Rússia destruiu o ISIS com a ajuda de um contingente bastante pequeno de forças aéreas e espaciais numa só base aérea. A ação na Síria mostrou os modernos sistemas de armamento russos e levou a um atraso de 20 anos nas encomendas de armas de todo o mundo. Além disso, os aliados da Rússia em todo o mundo sabem que se os EUA/NATO, ou os seus mercenários, lhes derem algum problema, tudo o que têm de fazer é assobiar e Moscovo irá apressar-se com as suas bombas de precisão e empilhar os cadáveres de forma limpa.

7.

Após o putsch de Kiev de 2014 e a re-adesão da Crimeia, as sanções EUA/Ocidente foram imensamente úteis para ajudar a iniciar um programa de substituição de importações em grande escala, rejuvenescendo tanto a indústria russa como a agricultura. A Rússia é agora largamente auto-suficiente em alimentos e um grande exportador de alimentos. A sua posição como principal celeiro do mundo será ainda melhorada pela adição de regiões de “terra negra” ucranianas orientais e meridionais de terras únicas e férteis. As sanções foram acompanhadas de ataques especulativos ao rublo que fizeram descer o seu valor de 30 para 60 dólares (onde hoje se encontra), tornando os produtos russos muito mais competitivos internacionalmente e estimulando o comércio externo.

8.

As intermináveis ameaças ocas para bloquear a Rússia de utilizar o sistema de mensagens interbancárias SWIFT levaram a Rússia a criar o seu próprio sistema de pagamentos, que está agora integrado com o da China. A detenção do fundo soberano russo de 300 mil milhões de dólares que foi mantido em depósito em bancos ocidentais, juntamente com o congelamento dos fundos dos oligarcas russos, ensinaram os russos a não confiar nos bancos ocidentais e a evitar manter o seu dinheiro no estrangeiro. Todas estas ações hostis no espaço financeiro abriram o caminho para uma resposta bastante ponderada que tornou instantaneamente o rublo a moeda mais valiosa e estável do planeta, deixando o dólar e o euro vulneráveis à hiperinflação.

9.

A guerra de oito anos travada pelo exército ucraniano, com inquestionável apoio dos EUA/NATO, contra a população civil russa no Donbass, produziu um entendimento muito específico em toda a população russa: que o Ocidente quer exterminá-la. Quando os ucranianos declararam então que queriam construir bombas nucleares, e quando se descobriu que os laboratórios de armas biológicas Pentagons na Ucrânia estavam a trabalhar na criação de agentes patogénicos especificamente destinados aos russos, e quando, finalmente, se tornou claro que não eram só os ucranianos mas toda a OTAN que estavam por detrás disso, que os ucranianos mais a OTAN estavam prontos para lançar um ataque total, a Rússia previu-o lançando a sua própria Operação Especial. Por mais cínico que isto possa parecer, o anterior bombardeamento de edifícios cheios de idosos, mulheres e crianças, mostrado ao vivo nas notícias noturnas da Rússia mas firmemente ignorado no Ocidente, foi fundamental para produzir índices de aprovação da Operação Especial que atingiu 76%, com índices semelhantes para Putin, o seu governo e mesmo muitos dos governos regionais. Agora que, apesar dos carregamentos de armas ocidentais, as forças armadas ucranianas estão a ser reduzidas a um ritmo que terminará em aproximadamente 20 dias (o calculado “Dia Z”), a Rússia está prestes a emergir como um vencedor absoluto na Terceira Guerra Mundial que, tal como a Guerra Fria, que tinha perdido, mal foi sequer combatida. Isto irá restaurar a mística militar russa de ser perpetuamente vitoriosa.

10.

Finalmente, a Rússia deveria estar grata pelos fundos generosos fornecidos ao longo dos anos pelos EUA e pelo Ocidente coletivo em apoio à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa na Rússia, o que significa propaganda pró-ocidental. Primeiro, ajudou a libertar o espaço mediático russo, a um ponto que agora a Rússia está muito mais aberta à liberdade de expressão do que qualquer um dos países europeus ou os EUA, com apenas uma pitada de censura corporativa ou de cancelamento da cultura que se desenfreiam no Ocidente. Em segundo lugar, a propaganda ocidental foi de tal forma estúpida e arrogante que os russos, depois de a terem processado durante alguns anos, riem-se agora abertamente da narrativa pró-ocidental, e as agências de pesquisa de opinião relatam o apoio russo a políticas pró-ocidentais apenas em quantidades vestigiais. O processo foi ajudado pela absoluta ridicularização de vários desenvolvimentos no Ocidente: cancelamento da cultura, MeToo, LGBT, operações de mudança de sexo infantil, promoção da pedofilia e todo o resto, o que produziu uma onda de repulsa. Esta inversão de 180º, de opiniões esmagadoramente pró-ocidentais do início dos anos 90 para a situação atual, é um feito coroador de toda a campanha de três décadas do Estado Profundo para Tornar a Rússia Grande Novamente (MRGA).

Não pretendo argumentar que a existência de MRGA dentro do Estado Profundo dos EUA é comprovadamente verdadeira. Mas exorto-vos a seguir a famosa máxima de Arthur Conan Doyle de que “uma vez eliminado o impossível, o que quer que reste, por mais improvável que seja, deve ser a verdade”, e que me digam o que descobriram.

 

Original aqui

Imagem em destaque: Capa do livro de Christopher Buckley

Trad. AR/LMn

Nota: As opiniões contidas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Lusomagyar News (LMn)

Também poderá gostar de