O Festival Internacional de Literatura PesText foi realizado também em este ano em Budapeste

por Pál Ferenc

Devido à quarentena de Covid-19, dois grandes eventos cultural-livrescos da Hungria, o Festival de Livro em abril e a Semana de Livro em  junho foram cancelados. Para resolver esta situação triste e difícil, os organizadores do Festival Literário Internacional, organizado pela  primeira vez no ano passado pela Associação de Direitos Autorais Húngara (Magyar Irodalmi Szerzői Jogvédő és Jogkezelő Egyesület), para promover as relações literárias internacionais  resolveram  sanar esta situação e conjuntamente com o Fundo Literário Petőfi, celebraram um grande encontro da literatura universal.

O Festival Internacional de Literatura PesText tinha convidado escritores famosos e ilustradores de livros a Budapeste, de acordo com os planos originais e remodelou o festival corajosa, rápida e engenhosamente consoante as últimas medidas epidemiológicas. O resultado traduziu-se num programa híbrido mas extremamente colorido.

O festival celebrado de 22 a 25 de setembro ofereceu ao público duas grandes exposições de  ilustrações de livros, programas ao vivo e online, Zoom-talks e entrevistas com grandes escritores, gravados em estúdio e transmitidas por plataformas digitais.

O Festival Internacional de Literatura PesText, realizado pela segunda vez neste outono, de novo esteve em foco a literatura universal. O motivo central foi: como obras literárias de diferentes línguas e culturas se refletem nos costumes de leitura de outro país ou povo. Uma das missões do PesText é chamar a atenção para a importância da tradução literária como uma das atividades criativas literárias mais importantes.

“Este ano mostrou-nos que em 2020, o papel da proximidade geográfica e do regionalismo tem-se tornado ainda mais importante no mundo inteiro. Devido à epidemia, até os contatos dos países vizinhos tinham vindo a enfraquecer. Queríamos ultrapassar esta situação quanto antes, assim, PesText vê como a sua missão explícita prestar atenção à literatura dos países vizinhos nestes tempos difíceis, sem a qual perderíamos não apenas belas palavras e histórias, mas também ter-se-ia debilitado a compreensão mais profunda da nossa própria identidade centro-europeia. Acreditamos que na era do medo mútuo, da desconfiança, do cancelamento de vôos e do encerramento de fronteiras, a literatura pode ser um dos elos que ainda pode ligar diferentes nações e povos, estimular o diálogo e a avaliação conjunta da situação ”, proferiu o sr. Kollár Árpád, diretor do festival.

Os escritores estrangeiros, convidados do festival, “participaram” no evento em conversas gravadas em estúdio e entrevistas de vídeo dinâmicas, transmitidas pela internet devido a restrições de viagens, todas disponíveis na página do festival no Facebook e no canal do youtube.

“Nos últimos meses, o papel da leitura e da literatura pode ter-se valorizado novamente. As pessoas que foram obrigadas a ficar em casa regressaram às suas antigas leituras favoritas ou descarregaram novos livros interessantes em formato de e-book. Por isso decidimos no início do verão que o festival deste ano e a oportunidade de conhecer os escritores e poetas a serem convidados de toda forma há-de acontecer. Em vez de programas ao vivo, convidámos o nosso público a assistir principalmente a transmissões online e visionar conteúdos de vídeo e optando por esse meio, queríamos realizar tudo perfeitamente. Fazer as gravações não com um telefone celular ou câmera de hobby, mas com meios  de TV profissionais. A alta qualidade das transmissões surpreendeu os amantes da literatura: recebemos muitas cartas de agradecimento e telefones de todo o mundo, de profissionais, organizadores de festivais e amantes da literatura ”, disse Pál Dániel Levente, diretor da Agência Literária Petőfi, co-organizadora do festival.

Na internet podem ser visionados além das entrevistas gravadas com Ernesto Rodrigues e Catarina Sobral, de Portugal, conversas com Nóra Szentiványi, Łukasz Orbitowski, Oya Baydar, Buket Uzuner, Siniša Tucić, Svetislav Basara, Sayfo Omar, Ivana Bodrožić, Sabine Hossenfelder, Steinar Opstad, Piot Rankrovha em língua original, legendadas em húngaro.

Além disso havemos de destacar o emocionante material, de uma hora, gravado com o convidado de honra da PesText, Borisz Akunyin, escritor russo que mora na Inglaterra, trabalho do editor-tradutor Miklós M. Nagy.

 

 Programa detalhado: https://pestextfestival.hu/fesztival-programok-2020/

O sitio do Festival: pestextestival.hu

A página do Festival no Facebook: https://www.facebook.com/pestext.festival

Sitio Instagram do Festival: https://www.instagram.com/pestext.festival/

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade