No país em que a água é mais cara que gasolina, angolanos temem fim dos subsídios

por LMn | Lusa
image_pdfimage_print

Luanda, 08 jan 2023 (Lusa) – Angola tem o quarto combustível mais barato do mundo, mas os angolanos temem que este cenário mude, com o anunciado fim dos subsídios, por pressão de instituições financeiras internacionais.

“O Governo já vem a subsidiar o combustível há muitos anos, o que é necessário é que o Governo crie condições mínimas para que o povo não fique alarmado”, afirma Manuel Nazaré, em declarações à Lusa, no posto de abastecimento da Sonangol, na avenida Comandante Gika, em Luanda.

O reformado abasteceu a viatura acompanhado da mulher, Manuel Nazaré, e reconheceu que gasta mais na compra de água do que para atestar o carro.

Angola é o quarto país do mundo onde é mais barato encher um depósito de combustível. Enquanto na Europa – e em Portugal, em particular – os automobilistas optam por veículos utilitários e têm o consumo de combustível em conta na altura da compra, em Angola, país dotado de um parque automóvel onde abundam robustos jipes e ‘pickups’, essa não parece ser uma preocupação, já que sai quase sempre mais barato dar de “beber” ao carro do que matar a sede.

Enquanto o preço médio de 1,5 litros de água engarrafada ronda os 180 kwanzas (34 cêntimos), um litro de gasolina custa 160 kwanzas (30 cêntimos), ou seja, cinco vezes menos do que em Portugal, segundo o site Global Petrol Prices, com dados atualizados em janeiro de 2023.

“O Governo avisou várias vezes que o FMI (Fundo Monetário Internacional) quer fazer este ajuste”, disse, acrescentando que deveriam criar-se condições aos trabalhadores “para compensar” o aumento do combustível.

No mesmo posto de abastecimento, Marcelino André pede ponderação, salientando que muitos angolanos vivem longe do local de trabalho. E deu o seu exemplo, gasta semanalmente 16.000 kwanzas (29,7 euros) só em combustível.

“É preocupante (remover os subsídios aos combustíveis), visto que os salários são baixos e acredito que não combina muito bem também”, frisou.

Já Moisés Augusto, que trabalha por conta própria, teme as “consequências” do fim das subvenções: “trará muitas consequências, primeiro porque o salário base aqui não é grande coisa e depois acredito que as coisas aqui em Angola só têm subido e isso é muito desvantajoso para nós, cidadãos que consumimos, não é bom”.

Sentado no carro, Moisés Augusto dá uma solução simples: “os salários deveriam subir mais e só assim que depois poderia paulatinamente subir as coisas, como combustíveis, e a cesta básica deveria baixar”.

Só a Venezuela, Líbia e Irão vendem gasolina mais barata do que Angola, enquanto no gasóleo, cujo litro custa 135 kwanzas, surgem ainda à frente na tabela a Arábia Saudita e a Argélia, atirando Angola para o sexto lugar da lista.

Os baixos preços dos combustíveis angolanos são também um atrativo para os contrabandistas que circulam entre a fronteira de Angola e da vizinha República Democrática do Congo, estimando-se que as perdas anuais atinjam os dois mil milhões de dólares, de acordo com dados revelados pela Polícia Nacional em novembro do ano passado.

Angola partilha com a Nigéria o estatuto de maior produtor de petróleo em África, mas importa grande parte combustível que consome, tendo apenas uma refinaria em funcionamento (a de Luanda) e outras três em fase de projeto ou construção (Soyo, Lobito e Cabinda).

Só no primeiro trimestre de 2022, o Governo angolano subsidiou 339,7 mil milhões de kwanzas (630 milhões de euros) em combustíveis distribuídos em todo o país.

A ministra das Finanças de Angola admitiu, em dezembro passado, que o país está a negociar com parceiros internacionais as compensações adequadas perante a remoção dos subsídios estatais ao preço dos combustíveis, uma decisão política que ainda não foi tomada.

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o FMI e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Funcionário de uma empresa privada, Cristóvão Domingues abastece a sua viatura duas a três vezes por semana no posto da Sonangap, no bairro de Alvalade, e pede “prudência e auscultação à população”.

É “dramática esta questão, retirar os subsídios ao combustível. Seria um pouco desastroso para aqueles que são proprietários das viaturas, como eu, não seria bom que o Governo tomasse essa iniciativa”, apontou Cristóvão Domingues que admite a ironia de Angola ter água engarrafada mais cara que a gasolina.

“Penso que a água deveria fornecida sem custos aos cidadãos, temos aqui muitos rios e não precisava que o litro de água estivesse em um preço mais elevado”, rematou Cristóvão.

DIAS/RCR // PJA

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade