Moçambique/Ataques: Governo diz haver “enfraquecimento” dos grupos rebeldes

por LMn

O ministro da Defesa de Moçambique considerou hoje haver um “enfraquecimento” dos grupos rebeldes em Cabo Delgado (norte) e encorajou as Forças de Defesa e Segurança (FDS) a “continuarem a apertar o cerco” à insurgência armada.

Segundo Jaime Neto, os grupos que há três anos protagonizam ataques armados no norte de Moçambique “estão a ter muitas perdas”, o que leva ao seu “enfraquecimento”.

“Nós encorajamos os homens e mulheres que estão no teatro operacional norte a continuarem a apertar o cerco porque só assim é que poderemos tranquilizar o nosso povo”, disse.

Jaime Neto falava durante o lançamento de uma revista científica sobre defesa e segurança, no Instituto Superior de Estudos de Defesa Tenente-General Armando Emílio Guebuza, em Maputo.

O governante apontou como objetivo permitir que, “a breve trecho”, a população deslocada possa regressar às suas terras e “continuar com as suas atividades do dia-a-dia”.

A violência armada em Cabo Delgado está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões de insurgentes passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Além de Cabo Delgado, o ministro referiu ainda que os ataques armados na região centro do país, protagonizados pela Junta Militar, uma dissidência da antiga guerrilha da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), “reduziram-se significativamente” face às investidas das FDS.

Reduziu-se “significativamente” o número de ataques junto às estradas nacionais n.º 1 e n.º 6, porque “as Forças de Defesa e Segurança estão permanentemente lá e em perseguição ao inimigo, no caso, a Junta Militar da Renamo”, declarou o governante.

Os ataques da Junta, liderada por Mariano Nhongo, antigo líder de guerrilha da Renamo, já provocaram a morte de, pelo menos, 30 pessoas desde agosto de 2019.

O grupo contesta a liderança do partido e as condições para a desmobilização decorrentes do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, assinado a 06 de agosto de 2019 entre o Governo e a Renamo.

LYN // JH

Lusa/Fim

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade