Ministro dos Negócios Estrangeiros: V4 poderá ser vencedor da “Nova Ordem Mundial” pós-pandémica

por LMn | MTI

Através da sua cooperação, os países do Grupo Visegrad podem tornar-se vencedores de uma “nova ordem mundial” pós-pandémica, disse na sexta-feira o Ministro dos Negócios Estrangeiros Péter Szijjártó.

Falando após uma reunião dos chefes da diplomacia V4 em Lodz, na Polónia central, Szijjártó disse numa conferência de imprensa que a aliança da República Checa, Hungria, Polónia e Eslováquia tinha estado a seguir “estratégias de política económica e de segurança baseadas no senso comum”. Graças aos seus esforços conjuntos, as quotas obrigatórias para a distribuição de migrantes não foram aplicadas na União Europeia e a Europa Central tornou-se o alvo mais atrativo para o investimento na Europa, acrescentou.

“Como resultado da pandemia do coronavírus, não é exagero falar de uma nova ordem mundial emergente, tanto na economia como na política”, disse ele. “A estreita cooperação entre os países V4 assegura um rápido relançamento económico no futuro e permite ao grupo estar entre os vencedores da nova ordem mundial”, acrescentou ele.

A Europa Central tornou-se agora um importante fornecedor das indústrias alemãs, a “espinha dorsal da economia europeia”, disse Szijjártó, acrescentando que o volume de negócios entre os V4 e a Alemanha tinha ultrapassado os 300 mil milhões de euros em 2019.

Szijjártó registou a política fiscal disciplinada e os baixos impostos da região, afirmando que “a Hungria nunca apoiará a introdução de qualquer imposto mínimo a nível mundial”. “Não vamos aumentar os impostos sob pressão internacional; a manutenção da política fiscal como competência nacional é uma garantia para a nossa competitividade”, disse ele.

Num outro desenvolvimento, Szijjártó disse que o governo húngaro insistiu na sua posição anterior sobre as quotas obrigatórias dos migrantes. “Vimos que a ideia de tais quotas não foi abandonada em Bruxelas ou em Nova Iorque”.

“Temos de estar alerta para que aquilo que conseguimos evitar uma vez não aconteça, não seja contrabandeado de volta e ponha em risco a segurança e a autodeterminação da Europa”, afirmou.

A Hungria está interessada numa Europa forte, que “não pode existir sem valores e comunidades cristãs fortes”, disse Szijjártó, acrescentando que o governo húngaro “continuará, portanto a apoiar os cristãos perseguidos no mundo e a insistir no reforço dos valores cristãos fundamentais da Europa”.

O ministro disse ainda esperar que em breve possam ser celebrados acordos no seio do Grupo de Visegrad, ao abrigo dos quais os certificados de vacinação contra o coronavírus coronário sejam mutuamente aceites.

Fonte: MTI

 

Foto em destaque via página de Péter Szijjártó no Facebook

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade