Miguel Martins: se não ganharmos, estamos acabados

por LMn | MTI
image_pdfimage_print

Kristianstad (MTI) – Miguel Martins de Szeged disse que seria crucial que a equipa portuguesa de andebol vencesse a Hungria na terceira ronda da fase de grupos do torneio de qualificação olímpico do Campeonato do Mundo masculino, na segunda-feira.

“Vejo este jogo como uma final. Se não ganharmos, estamos acabados. É por isso que é uma final, é por isso que nos estamos a preparar para ela e espero que tenhamos sucesso”, disse o jogador ao M4 Sport.

Acrescentou que, se perderem, serão eliminados sem pontos, a Hungria levará quatro pontos, a Islândia dois, e a Suécia, campeã europeia, terá quatro. A Hungria venceu a Coreia do Sul por 35-27 na primeira ronda da fase de grupos, na quinta-feira, e passou de seis golos abaixo para vencer a Islândia por 30-28 na segunda ronda, no sábado.

Sobre este último, Martins disse que era uma surpresa para ele porque não esperava que a equipa húngara desse a volta ao jogo, já que uma diferença de seis golos é muito no andebol.

“A Islândia tem jogadores experientes e deveriam estar a ganhar em momentos como este. Mas eu conheço os jogadores húngaros, jogo com muitos deles em Szeged e sei como são bons. Mas desse ponto de vista, o que aconteceu não foi surpresa”, explicou ele.

Como ele explicou, Roland Mikler pode fechar a sua baliza durante cinco minutos a qualquer momento e virar o jogo. Richárd Bodó é um cruzador espantoso, que dispara à distância com uma eficiência excecional de 80 por cento. De acordo com o jogador português, Bence Bánhidi é um dos melhores avançados do mundo e é muito difícil de defender. Acrescentou que Zoltán Szita também é ótimo no Campeonato Mundial, atira à distância, joga na montagem e trabalha bem na defesa.

“Eles estão todos em boa forma, é bom ver, mas eu sou português e quero ganhar contra eles. Quero ajudar a minha equipa dizendo-lhes quais são as suas capacidades, o que fazer contra eles e juntos podemos descobrir como ganhar”, disse ele.

Martins disse que a Hungria é uma equipa que eles conhecem e gostam de jogar contra. Descreveu-se como sempre motivados e, se tiverem um bom desempenho, têm uma oportunidade de ganhar contra qualquer um.

“Precisamos de nos concentrar, não de dar a bola, da qual a Hungria pode facilmente marcar golos. Temos de correr porque eles têm jogadores mais pesados com mais peso, mas nós somos mais rápidos e temos de tirar partido disso”, explicou ele.

O jogo do grupo Hungria-Portugal começa na segunda-feira às 20.30 (HU) em Kristianstad.

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade