Tamás Deutsch – Eurodeputado do Fidesz: A tirania da UE pode substituir a tirania comunista

por LMn

Ao vincular o financiamento da União Europeia aos critérios do Estado de Direito, uma tirania da UE poderia tomar o lugar das décadas de tirania comunista, disse Tamás Deutsch, um eurodeputado que governa o Fidesz-KDNP, na rádio pública no domingo.

“Muito obrigado, não desejamos a tirania oriental ou ocidental”, disse Deutsch, enfatizando que o objetivo é forçar a Hungria a permitir a entrada de migrantes e reconhecer os casamentos do mesmo sexo, enquanto se esconde atrás do Estado de Direito de uma maneira que é “Mentiroso e irritante”.

Uma condição fundamental para garantir direitos iguais para os Estados membros é que a opinião de todos seja importante nas questões mais importantes e que os interesses e posições de todos sejam respeitados, disse ele. A UE baseia-se na cooperação eficaz dos Estados-nação, e o símbolo desse sucesso só pode ser permanecer neste caminho, afirmou.

Não é por acaso que os Tratados da UE exigem unanimidade dos chefes de governo e de estado dos Estados membros nas decisões mais importantes, acrescentou. Se um Estado membro veta uma decisão, está simplesmente a exercer o seu direito de comunicar que ainda não haja unanimidade.

Deutsch disse que um consenso deve ser alcançado para o início do próximo orçamento de sete anos da UE e do fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros, “então um consenso será alcançado, não importa o quão contencioso muitos estejam no momento”. Ele disse que não há como contornar o veto da Hungria e da Polónia, já que os cidadãos polacos e húngaros não podem aceitar as decisões da UE que permitem que a burocracia em Bruxelas obrigue os Estados membros a aceitar o reassentamento obrigatório de migrantes.

“Dizemos não à migração e não há como a UE nos forçar a mudar essa posição, seja por força política ou financeira, chantagem ou ameaças”, disse ele. Deutsch disse que os países europeus, com exceção da Hungria, lançaram as mãos para o ar quando a onda maciça de imigrantes ilegais partiu para o continente, e há até mesmo “tais kibitzers liderados pelo [financeiro americano] George Soros, que vão até ao ponto de dizer que seria útil fortalecer esta tendência”.

“A Hungria foi o primeiro país, mas agora não é o único que disse não à migração e, desde então, tem ouvido a acusação de que tentamos ilegalmente impedir a entrada de migrantes”, disse ele. Ele também disse que a constituição da Hungria reflete os valores escolhidos pela grande maioria dos húngaros e não torna o casamento entre pessoas do mesmo sexo possível. Se a UE emitir uma diretiva contrária a esta, ela poderá impor multas ao país, argumentando que a Hungria não respeita o Estado de Direito, acrescentou.

Fonte:

Dailynewshungary

Crédito de imagem:

Photo: www.facebook.com/Orbán Viktor

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade