Internet por satélite de Elon Musk já está disponível em Portugal. Adesão custa 560 euros

por LMn

A Starlink já começou a fornecer internet por satélite em Portugal, com “oferta limitada”. Para aderir é preciso pagar 560 euros (equipamentos e outros custos). Mensalidade fica a 99 euros.

A Starlink já está a fornecer internet por satélite em Portugal, embora com “oferta limitada”. A empresa do grupo SpaceX, que foi fundada por Elon Musk, patrão da Tesla, está a informar os interessados de que o serviço está agora disponível no país para um grupo restrito de portugueses.

Também já estão confirmados os preços do serviço. De acordo com o que é indicado no site da empresa, os consumidores interessados têm de adquirir o hardware proprietário da Starlink por 499 euros (parabólica, tripé, router Wi-Fi e fonte de alimentação).

Ao valor da encomenda, somam-se portes de envio e custos de manuseamento no valor total de 61 euros, o que perfaz um custo de entrada de 560 euros.

Além deste valor, os utilizadores ficam a pagar 99 euros por mês por um acesso à internet que, segundo a empresa, nesta primeira fase, tem um débito que varia entre os 50 e os 150 Mbps (megabits por segundo), uma latência entre 20 e 40 ms (milissegundos) e pode enfrentar “breves períodos sem nenhuma conexão”.

“A Starlink está agora disponível com oferta limitada em Portugal! Os utilizadores podem esperar velocidades de dados que variam entre 50 Mbps e 150 Mbps ao longo dos próximos meses, à medida que vamos melhorando o sistema da Starlink”, lê-se num email enviado a potenciais clientes.

A empresa assume ainda, na mensagem, que à medida que vai lançando mais satélites, instala estações terrestres e melhora o software que gere a rede, “a velocidade, latência e disponibilidade vão melhorar dramaticamente”.

A internet por satélite é uma alternativa de banda larga fixa aos acessos por cabo, fibra ótica ou rede móvel. Devido aos preços tendencialmente mais elevados do que os praticados pelas operadoras mais bem estabelecidas, o serviço tende a ser vocacionado para regiões onde a cobertura de banda larga é mais fraca.

O ECO tem vindo a colocar questões à Starlink, através da SpaceX, ao longo dos últimos meses. A empresa não tem respondido nem tem acusado a receção desses pedidos.

Internet que vem do espaço

A 6 de abril, foi noticiado que a SpaceX tinha criado a SXPT em Portugal para fornecer internet via satélite. Nessa altura, responsáveis da companhia reuniram com a administração da Anacom, que informou que a Starlink iria ter capacidade para fornecer internet a 50 mil utilizadores.

Segundo o regulador das comunicações, a empresa estimou ainda atingir 16 mil acessos até ao final de 2021. A promessa foi a de que o serviço estaria disponível até ao final de junho.

Num contexto de pandemia, em que o acesso à rede global se mostrou indispensável para a maioria dos portugueses, a Anacom tem mostrado um maior interesse na promoção das ofertas de internet por satélite. Também em abril, o regulador emitiu um comunicado onde resumiu as ofertas de internet por satélite que já existem em Portugal, salientando que algumas custam 12,90 euros por mês.

“As ofertas de acesso à internet via satélite anunciam velocidades de download até 100 Mbps e velocidades de upload até 10 Mbps. O débito de upload, que nas atuais circunstâncias (teletrabalho) ganhou uma importância acrescida, varia entre 1 Mbps e 6 Mbps, no caso das ofertas residenciais, e entre 3 Mbps e 10 Mbps, no caso das ofertas não residenciais”, apontou a Anacom.

Este artigo foi publicado originalmente em eco.sapo.pt

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade