Hungria: Rússia não é vista como ameaça à segurança, diz ministro dos Negócios Estrangeiros em Bruxelas

por LMn | MTI

A Hungria não considera a Rússia uma ameaça directa à segurança do seu território, mas compreende e respeita que outros Estados membros da OTAN pensam de forma diferente, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros Péter Szijjártó em Bruxelas nesta terça-feira, após uma sessão de dois dias dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da OTAN.

Como membro empenhado da OTAN, a Hungria sempre foi leal aos seus aliados, disse Szijjjarto aos jornalistas húngaros. A Hungria contribuiu para as acções de reforço da OTAN na sua ala oriental e continuará a ajudar a impulsionar a “segurança e o sentimento de segurança” dos Estados bálticos, afirmou.

Se a Hungria for leal aos seus aliados, pode esperar, com razão, que eles sigam o exemplo se os direitos da comunidade étnica húngara da Ucrânia forem “sistemática e grosseiramente violados”, disse Szijjártó. “A Hungria defenderá sempre os direitos das comunidades de etnia húngara, independentemente da sua dimensão”, disse o ministro.

A Hungria não pode aceitar que as questões das minorias étnicas sejam vistas como assuntos bilaterais, uma vez que a obrigação de respeitar as minorias nacionais faz parte integrante das normas internacionais e de vários documentos da OTAN, disse Szijjártó.

A Hungria também não pode aceitar qualquer referência à presença russa na Ucrânia como desculpa para a violação dos direitos das minorias húngaras, disse Szijjártó. Os húngaros transcarpatianos não podem ser responsabilizados pelo que está em curso na Ucrânia oriental, acrescentou.

A Hungria espera que os seus aliados deixem claro para a Ucrânia que o cumprimento das suas obrigações, incluindo o respeito pelos direitos das minorias, é uma condição prévia para cooperar mais estreitamente com a OTAN, disse Szijjártó.

Relativamente ao abastecimento energético da Europa Central, o ministro disse que os países em questão precisariam de novas infra-estruturas e novas rotas de abastecimento para poderem adquirir gás a partir de novas fontes. Para diversificarem a sua importação de energia, necessitariam de apoio financeiro para a construção de novos gasodutos e que as empresas em questão deveriam fazer uma abordagem estratégica e não apenas financeira.

O ministro manifestou a esperança de que os canais de comunicação com a Rússia permanecessem abertos para a discussão de questões cruciais e que o nível de confrontação Leste-Oeste diminuísse no período que se avizinha. “Nós, europeus centrais, temos um interesse declarado num diálogo civilizado e calmo Este-Oeste baseado no respeito mútuo”, afirmou.

Em resposta a uma pergunta, Szijjártó disse que a escolha da Hungria de vacinas anti-coronavírus nunca tinha sido motivada por considerações ideológicas. “É mais do que tempo de a propaganda anti-vacinas por motivos ideológicos ser interrompida tanto na Hungria como no estrangeiro”, disse.

Fonte: MTI

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade