Hungria: Restrições mantêm-se até 15 de março

por LMn | MTI

O governo manterá as actuais restrições introduzidas devido à pandemia de coronavírus até 15 de Março, disse o Ministro- chefe do Gabinete do Primeiro-Ministro na conferência de imprensa semanal de quinta-feira.

Gergely Gulyás disse que a terceira vaga da pandemia tinha atingido a Hungria e que os indicadores poderiam “piorar mesmo dramaticamente” nas próximas uma ou duas semanas. “As próximas duas semanas serão particularmente difíceis”, acrescentou.

Há uma série de novas variantes do vírus no país, espalhando-se mais rapidamente do que as anteriores, disse Gulyás, mas acrescentou que as vacinas actualmente disponíveis asseguravam protecção contra cada uma delas.

O Ministro Gulyás acusou a oposição de ser anti-vacinação “arriscando a vida das pessoas”. A oposição dos partidos de esquerda húngaros à vacina contra o coronavírus, não só é contra os interesses do país, mas também “arrisca a vida das pessoas”, afirmou.

A oposição, “especialmente [ex-Primeiro-Ministro] Ferenc Gyurcsány e o seu partido, DK-Coligação Democrática”, não só não apoiou a extensão da ordem jurídica especial relacionada com a pandemia numa votação parlamentar no início desta semana, disse Gergely Gulyás, como também criticaram o plano de acção de vacinação do governo, acrescentou.

Gulyás insistiu que a única explicação para tal acção era que a oposição “espera ter melhores hipóteses de obter poder se a pandemia demorar mais tempo a diminuir”.

Gulyás chamou-lhe “o desenvolvimento mais triste da vida pública nas últimas semanas” que “massas” de autarcas de esquerda apelaram às pessoas para rejeitarem as vacinas Covid-19 (russa e chinesa, LMN) que já foram testadas e aprovadas pelas autoridades húngaras. “Isto é inaceitável, aqueles que o fazem estão a brincar com a vida das pessoas”, disse.

Fonte: MTI

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade