Hungria: Queremos um exército forte e moderno, afirmou Viktor Orbán

por LMn | MTI

O Primeiro-Ministro disse que o governo em 2010 teve de primeiro melhorar as finanças do país antes de poder prosseguir com o desenvolvimento das forças armadas. Depois de reforçar com sucesso a economia e as políticas familiares do país, o governo precisava de estabilidade, previsibilidade e dinheiro para desenvolver um exército e uma indústria militar competentes, disse ele.

Orbán elogiou o Ministro da Defesa Tibor Benkő pelos seus esforços “em levar a Hungria até aqui” e Ferenc Korom, o antigo comandante das forças armadas, pelo seu papel em “guiar o exército de um estado de desespero para um estado de esperança”.

Um país livre e independente só pode encontrar auto-confiança na sua própria força e nos seus próprios militares nacionais, especialmente numa região como a Europa Central, disse o primeiro-ministro. Esta região, disse ele, tinha sofrido várias incursões ao longo da história, “e sem excepção, o resultado final foi sempre catastrófico para o nosso país e para a região”.

“Por conseguinte, devemos construir a região juntamente com os outros povos da Europa Central”, acrescentou ele. “Mas as boas intenções por si só não são suficientes. Esta tarefa também requer força, o que significa que, para além da estabilidade financeira, também é necessário um exército eficaz”.

Orbán disse que a Hungria não encontraria um aliado que defendesse o país no seu lugar, “apenas em conjunto connosco”. “Portanto, se não formos fortes, estaremos perdidos, e no passado a nossa causa falhou sempre antes de chegar o prometido salvamento”, acrescentou.

O primeiro-ministro também agradeceu aos soldados húngaros pela sua contribuição para os esforços de defesa pandémica do país.

Fonte: MTI/Hungary Today

 

Crédito de foto: Página Facebook Orbán Viktor

 

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade