Hungria: Ministra da Família e a polémica devido afirmações sobre o salário do homem e da mulher

por LMn

Katalin Novák Ministra da Família da Hungria partilhou um vídeo-divulgação na sua página Facebook que provocou fortes reações. No video a ministra falou sobre a família, o papel da mulher, a carreira profissional da mulher no contexto da família, a harmonia e a competição com o homem (marido), a importância dos salários auferidos pelo homem e pela mulher. As opiniões da Ministra Katalin Novak levantaram forte polémica em diversos quadrantes da sociedade “magyar”. Eis breves excertos das partes mais “quentes” das suas declarações (recolhidas e selecionadas pelo LMn)

Hoje estamos a procura da resposta de como uma mulher pode ter sucesso, ser forte? Como se pode conseguir? Talvez seja mais fácil ver o que não há que fazer: não acredite que nós, mulheres, temos que competir constantemente com os homens. Não acredito que em todos os momentos de nossas vidas nos devemos comparar e ter pelo menos um cargo, pelo menos o mesmo salário que o outro.

É uma coisa boa sentir-se completa como uma mãe com muitos filhos, e não há nada de errado em uma mulher viver “apenas” para sua família, disse a ministra Katalin Novák.

A propósito, de sublinhar que Katalin Novák  tem um salário de ministro de 1,9 milhões de HUF mais 1,1 milhão de HUF como deputada, ou seja 3,0 milhão de HUF, cerca de 8,3 mil euros, precisamente o mesmo que ganham os seus colegas ministros homens e que depois de sua nomeação como Ministra em setembro último. Katalin Novák começou com um aumento salarial de meio milhão de forints. (Index.hu)

De acordo com a Seção Feminina da Confederação Sindical Húngara (MASZSZ), Katalin Novák, embora seja a ministra sem pasta responsável pelas famílias no governo de Orbán, não tem ideia de como vivem 90% das famílias, mulheres e mães húngaras e isso ficou claro no seu “vídeo instrutivo” para mulheres na sua página do Facebook.

A secção como representante de dezenas de milhares de mulheres trabalhadoras, diz a ministra que as mulheres húngaras não trabalham porque querem “estar ou não estar realizadas” desta forma. Eles não têm escolha.

Mária Hercegh, líder da secção sindical, fez questão de sublinhar que a maioria das mulheres não vai à fábrica, cumpre os horários, serviço à noite, nos finais de semana e feriados “por paixões não cavalheirescas”, por diversão. É a única maneira de sua família sobreviver. Elas também gostariam de poder decidir assim sobre suas vidas, se vão assar, fazer bolos  confortavelmente em casa ou trabalhar até “morrer”, mas não podem.

Katalin Novák teria se saído melhor se tivesse enviado este vídeo apenas para as suas amigas e conhecidas  pertencentes ao seu círculo material e existencial, e ela não teria provocado milhões de mulheres trabalhadoras com essa educação por vídeo. (24.hu)

https://index.hu/belfold/2020/12/14/novak_katalin_emancipacio/

https://24.hu/kozelet/2020/12/15/a-dolgozo-nok-kiakadtak-novak-katalin-uzeneten/

Katalin Novák, Ministra da Família

https://www.facebook.com/csaladesifjusag

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade