Hungria: Mercado de trabalho próximo dos 5 milhões de empregados

por LMn

Não é nenhum exagero dizer que na Hungria o mercado de trabalho ultrapassou a crise, com mais pessoas a trabalhar do que nunca em Junho deste ano. Os inativos e os trabalhadores de fora poderão ser a resposta para alcançar os desejados cinco milhões de pessoas empregadas.

A economia da Hungria está a recuperar de forma muito dinâmica à medida que a situação pandémica melhora, o que levou a um ressurgimento da escassez de mão-de-obra na maioria dos setores da economia. Se este impulso não for quebrado, o emprego continuará a crescer”, disse Béla Ignácz, diretor-geral da agência de trabalho temporário Prohuman, ao diário económico VG.

De acordo com dados divulgados na semana passada pelo Instituto de Estatística húngaro: em Junho deste ano, 4,7 milhões de pessoas já estavam a trabalhar na Hungria, o que não só trouxe o mercado de trabalho de volta aos níveis pré-pandémicos, como também estabeleceu um recorde de emprego em várias décadas. Contudo, é de sublinhar que o mercado de trabalho já estava limitado, pelo que a grande questão é como atrair mais 300 mil trabalhadores para o mercado de trabalho.

Dos 2,7 milhões economicamente inativos – aqueles que não estão empregados nem desempregados, ou seja, que não procuram emprego -provavelmente tantos podem certamente ser atraídos, disse Zoltán Karácsony, especialista do mercado de trabalho no Portal de RH, ao VG.

Entre os jovens, reformados e pessoas com deficiência, existem ainda algumas reservas. Sublinhou que a isenção do imposto de rendimento (IRS) para os menores de 25 anos poderia ajudar a este respeito, bem como a alteração à lei sobre pessoas com capacidade de trabalho reduzida, que eliminou o limite de rendimento a partir de 1 de Janeiro, o que significa que as pessoas com capacidade de trabalho reduzida mantêm direito a prestações de reabilitação e de invalidez sobre qualquer nível de salário.

Zoltán Karácsony salientou também que houve progressos significativos nesta área desde 2010: a taxa de emprego subiu de 18 para 44%, mas ainda há margem para melhorias, uma vez que a média da UE está acima dos 50%. O mesmo pode ser dito para as mulheres, onde a taxa de emprego é de 68% contra 70% para os homens. O especialista do Portal RH confirmou que em Agosto o mercado de trabalho estava de volta aos níveis pré-pandémicos, com o número de empregos anunciados nos portais de emprego húngaros a subir para 37 500, de acordo com estatísticas do agregador do portal de emprego Állásportál.hu, apenas menos 2 200 do que há dois anos e mais 5 000 do que antes do surto do coronavírus húngaro (32 500).

Outra fonte alternativa é o recrutamento de trabalhadores estrangeiros. O director-geral de Prohuman indicou que já existem regiões do país onde a única maneira de fornecer o pessoal necessário é trazer trabalhadores do lado de lá das fronteiras, e à medida que a economia continua a reanimar, este problema pode tornar-se ainda mais agudo. Além disso, se uma empresa for permanentemente incapaz de resolver o problema laboral, pode muito bem decidir deslocalizar-se para uma região com melhor desempenho.

Fonte: Artigo originalmente publicado em VG.hu

 

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade