Hungria: Líder do partido da oposição Momentum envia carta pública a Viktor Orbán

por LMn

András Fekete-Győr, líder do partido da oposição Momentum e um dos candidatos a candidato a Primeiro-Ministro pela oposição unida, escreveu uma carta a Orbán, onde diz que este está no caminho completamente errado, esquecendo-se de que o lugar da Hungria é no Ocidente.

Na sua página do Facebook, András Fekete-Győr recordou que em 2007, o próprio Viktor Orbán tinha dito que “desde a fundação do Estado, a Hungria tem sido um país ocidental que nunca quis fazer parte do Oriente”, e que agora está a trair esse ideal.

Segundo o candidato a Primeiro-Ministro designado do  Momentum, isto baseia-se no facto de que, após a construção do “caminho-de-ferro chinês” Budapeste-Belgrado e alocação em Budapeste e regalias concedidas ao banco russo Banco Internacional de Investimento, pretende agora “construir o campus universitário do Partido Comunista Chinês”.

András Fekete-Győr assegurou ao primeiro-ministro que concordava plenamente com tudo o que Orbán disse como membro da oposição no seu discurso das comemorações do 23 de Outubro de 2007.

“A política oriental não tolera a autonomia, não tolera a independência e não tolera a liberdade. Dissolve as linhas de defesa que protegem a vida independente das pessoas. Deixa-nos indigentes, empobrece-nos, tira-nos a roupa, e, se necessário, intimida-nos, acorrentado-nos a uma vida dependente do poder. Desde que o Oriente pôs os pés na Hungria, os húngaros amantes da liberdade como nós sempre quiseram a mesma coisa; libertar-se do seu domínio opressivo e expulsar o seu vice-rei doméstico”.

De acordo com András Fekete-Győr, as palavras de Viktor Orbán ainda hoje são verdadeiras, e é por isso que ele está perplexo com a mudança radical do Primeiro-Ministro, e porque é que ele não consegue compreender porque é que não consegue ver claramente o que viu em 2007.

Qual é a razão porque Viktor Orbán vira as costas ao legado de Santo Estêvão, e porque abre as portas de par em par da Hungria à influência económica, política e cultural da China comunista e das antigas autocracias pós-comunistas soviéticas? Pergunta  András Fekete-Győr.

Fonte: Página FB de András Fekete-Győr

 

Toda a carta pode ser lida (em húngaro) https://www.facebook.com/feketegyorandras.momentum

 

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade