Hungria: Governo otimista com relançamento e crescimento económico

por LMn

A economia da Hungria poderá crescer 6% este ano e entre 6-7% em 2022, deixando para trás os países vizinhos, disse Márton Nagy, conselheiro económico principal do primeiro-ministro Viktor Orbán, à emissora comercial Infórádió, esta terça-feira à noite.

Apesar dos efeitos económicos muito negativos da pandemia de coronavírus, M. Nagy atribuiu o desempenho da recuperação da economia húngara a dois fatores principais: um diz respeito à política económica seguida nos últimos 10 anos, em resultado da qual a economia se tornou “resistente ao choque”,

E o outro diz respeito a um conjunto de medidas de gestão tomadas atempadamente  e destinadas a proteger e revitalizar a economia.

Nagy afirmou que a fórmula do governo era simples e visava impulsionar os investimentos, protegendo simultaneamente o emprego. Salientou a importância da concessão de subsídios salariais e da introdução de uma moratória sobre o reembolso de empréstimos.

O principal enfoque este ano e em 2022 será nos investimentos estatais, que “complementariam os investimentos privados”. Márton Nagy disse que a regra geral na utilização de recursos era garantir que cada forint gasto deveria gerar um equivalente de pelo menos 1,5 forints em contribuição para o PIB do país.

O foco da política industrial nos próximos dois anos será o sector da construção e o fabrico de materiais de construção, disse Nagy. Para o período 2021-2027, está disponível um total de 50.000 mil milhões de forints (140 mil milhões de euros) para fins de desenvolvimento económico estatal, o que representa quase 100 por cento do PIB anual da Hungria, 30% desse montante viria em fundos da UE e o resto em recursos nacionais e outros.

 

Fonte: InfóRádio

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade