Hungria: Cortes de impostos continuam em 2021

por LMn

As famílias que procuram comprar casas e pequenas empresas estarão entre os beneficiários dos cortes fiscais do governo no ano 2021, disse o Secretário de Estado das Finanças András Tallai em entrevista neste sábado ao diário Magyar Nemzet.

Os contribuintes húngaros podem estar confiantes, o governo introduziu alterações fiscais no início do ano que os vão beneficiar, disse Tallai.

O secretário de estado referiu que o IVA sobre as casas construídas recentemente é reduzido de 27% para 5% a partir de 1 de Janeiro deste ano. Além disso, todas as compras de casas feitas com o programa governamental de subsídios à habitação “CSOK” estão isentas de impostos. Para as pequenas e médias empresas, o governo decidiu reduzir para metade a taxa do imposto local sobre o rendimento das empresas.

As empresas com um volume de negócios anual até 4 mil milhões de forints (11 milhões de euros) e com menos de 250 empregados são qualificadas  como PME, destacou o secretário de estado. O corte fiscal ajudará cerca de 800 mil empresas, acrescento.

O Imposto sobre Pequenas Empresas (KIVA) foi reduzido de 12% para 11% e o limiar de elegibilidade das receitas aumentou de 1 mil milhão de forints para 3 mil milhões de forints para as PME que agora optem por pagar a modalidade de imposto KIVA e de 3 mil milhões de forints para 6 mil milhões para as empresas que anteriormente optaram por pagar o KIVA, disse Tallai.

O governo também alterou, agravando as regras que regem o Imposto Especializado para as Pequenas Empresas (KATA).Os contribuintes da KATA que facturam uma única empresa terão agora de pagar um imposto de 40% sobre o rendimento superior a 3 milhões de forints.

Além disso, a partir de 1 de Janeiro, cada família está autorizada a produzir  86 litros de palinka (aguardente) por ano, para o seu próprio consumo livre de impostos.

Fonte: Tallai: MTI

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade