Hungria: Conheça os candidatos que lutam para derrotar Viktor Orbán

por LMn

Seis partidos da oposição decidiram realizar primárias para escolher um candidato da unidade.

Por Politico

Os líderes da oposição húngara querem derrotar Viktor Orbán – mas primeiro terão de competir uns contra os outros.

O partido governante Fidesz há muito que capitaliza as divisões dentro da oposição para manter o seu domínio sobre o poder. Mas com as preocupações crescentes sobre o recuo democrático da Hungria, os opositores de Orbán concordaram em tentar uma abordagem desafiante: A unidade.

Seis partidos políticos de todo o espectro político comprometeram-se a pôr de lado as suas diferenças e a concorrer juntos nas eleições parlamentares de 2022, quando Orbán procurará assegurar um quarto mandato consecutivo. Planeiam candidatar-se conjuntamente em cada um dos 106 distritos eleitorais do país – assim como um candidato conjunto a primeiro-ministro.

E a escolha dos candidatos será deixada aos eleitores, com as primárias agendadas para o Outono.

Há agora cinco candidatos principais a concorrer para o cargo de Orbán. Aqui estão eles:

Gergely Karácsony: O líder de Budapeste

O presidente da câmara de Budapeste, de 45 anos de idade, é considerado o primeiro candidato a tornar-se o candidato da oposição.

Karácsony é “o mais provável vencedor” das primárias, disse Róbert László, um analista do Instituto Political Capital em Budapeste.

Originalmente membro do partido LMP, Karácsony é actualmente o co-líder de um pequeno grupo liberal, “Diálogo para a Hungria”, ao mesmo tempo que conta também com o apoio do Partido Socialista.

A vitória do presidente da câmara de 2019 contra um candidato apoiado pelo Fidesz na capital foi um golpe para Orbán. Mas replicar esse desempenho a nível nacional poderá ser um desafio arriscado.

Num aceno de cabeça aos húngaros fora da capital, o presidente da câmara anunciou a sua candidatura durante o fim-de-semana em Nyírtass, uma aldeia no nordeste da Hungria onde viveu quando era criança. Com o som dos galos a cantar ao fundo, Karácsony declarou num vídeo do Facebook que o seu objectivo é “reunificar a Hungria”.

Um dos temas principais da mensagem de Karácsony é que ele se concentrará nos “99 por cento” em vez dos húngaros mais abastados. Karácsony lançou uma iniciativa chamada “Movimento 99” e procurou marcar a si próprio como um político de baixo para cima, numa altura em que os números Fidesz passaram a estar associados a estilos de vida caros. “Eu não vim de helicóptero”, disse ele em Nyírtass.

Mas ainda não está claro se, se for o selecionado como candidato da oposição, Karácsony poderá efectivamente chegar aos eleitores indecisos.

Péter Jakab: O líder mais popular da oposição

Jakab – que iniciou a sua carreira como professor – é actualmente presidente do partido Jobbik, que nos últimos anos tem tentado fazer a transição da extrema-direita do espectro político para o centro.

Bisneto de um homem judeu húngaro assassinado em Auschwitz, Jakab representa uma nova face para Jobbik. Mas o seu partido continua a debater-se com questões sobre se terá enterrado completamente o seu passado xenófobo.

No início de Abril, a empresa de sondagens Medián mostrou que Jakab é o candidato mais popular da oposição. Um mês antes, uma sondagem da Závecz Research também colocou Jakab em primeiro lugar, com 30%  dos inquiridos que planeiam votar nas primárias da oposição a apoiar o líder do Jobbik.

O jovem de 40 anos fez bem em marcar a si próprio como o homem simples que não desiste, apelando aos húngaros fora das grandes cidades.

Mas com a oposição a planear duas rondas de votação nas primárias, ser o líder da oposição mais popular pode não ser suficiente. Os três primeiros candidatos na primeira volta avançarão para uma segunda volta, de acordo com as regras estabelecidas pelos seis partidos da oposição – tanto dependerá de como os eleitores liberais e de esquerda, que não são fãs de Jobbik, escolherem dividir os seus votos.

Nas eleições parlamentares gerais, porém, o Jakab poderá ter uma vantagem.

Para vencer em 2022, a oposição teria de convencer “muitas centenas de milhares de eleitores, que por agora não sabem se vão votar”, de acordo com Róbert László da Political Capital.

“Presumivelmente Jakab pode ter um impacto melhor do que Karácsony sobre estas várias centenas de milhares de eleitores indecisos e apolíticos”, disse.

Klára Dobrev: O MPE popular entre os eleitores liberais

Vice-presidente do Parlamento Europeu, Dobrev tem estado envolvido na política e administração pública húngara desde os anos 90. Se fosse eleita, tornar-se-ia a primeira Primeira-Ministra húngara.

A jovem de 49 anos de idade concorre como candidata do partido Coligação Democrática, um partido liderado pelo seu marido, o antigo primeiro-ministro húngaro Ferenc Gyurcsány.

Embora popular entre uma parte significativa de eleitores liberais, Dobrev – cujo partido pertence à Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu – é uma figura divisória que lutaria para apelar aos eleitores indecisos e conservadores desencantados com Orbán.

Falando aos jornalistas na segunda-feira, Dobrev disse que, nas actuais circunstâncias, só dirá “coisas simpáticas” sobre os seus concorrentes da oposição – com os quais espera formar um governo de coligação alargada se Fidesz perder.

“Estou muito optimista”. Pela primeira vez, a oposição encontrou uma forma e conseguiu organizar-se num bloco realmente unido contra o regime de Orbán”, disse ela. “Isto é um enorme feito”.

András Fekete-Győr: O jovem coitado

O líder do Momentum de 32 anos – membro de Renew Europe – também está a concorrer, embora tenha vindo a perder nas sondagens.

Fekete-Győr apela aos eleitores mais jovens e centristas, mas ainda não está claro se ele poderia alargar a sua base de apoio.

“O Movimento Momentum e András pessoalmente têm enormes méritos na mobilização e activação dos jovens”, disse Bernadett Szél, um membro independente do parlamento húngaro que é aliado do movimento. “Vencer a apatia e envolver as pessoas na política é uma necessidade absoluta para a mudança”, disse ela.

Péter Márki-Zay: O ala de direita de fora

O pai conservador de sete é presidente da câmara municipal da cidade do sul de Hódmezővásárhely, onde atraiu a atenção de todo o país em 2018, após derrotar o candidato favorito do Fidesz.

A sua força é o seu papel de outsider e a sua capacidade de apelar a alguns eleitores de direita. Mas, neste momento, é pouco provável que o jovem de 49 anos se saia bem nas primárias.

 

Fonte: https://www.politico.eu/article/orban-hungary-election-opposition-jakab-karacsony/

 

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade