Exércitos privados: eles são agora as grandes armas do mundo

por LMn

O anúncio de que a primeira empresa militar privada húngara poderia ser lançada foi recebido com grande interesse esta semana, mas muitos comentaram que mesmo que a empresa esteja seriamente empenhada em arrancar, não tem grandes hipóteses de competir com as verdadeiras armas do mercado. Mas quem são os exércitos mercenários, os PMC, que as grandes potências mundiais preferem empregar para conduzir operações militares nos bastidores, para proteger os seus principais bens e aliados? Vejamos.

Academi / Blackwater / Contellis

Blackwater, agora conhecido como Academi, é um dos grupos PMC mais conhecidos do mundo, graças em grande parte às suas atividades controversas no Iraque. A empresa recebeu do governo dos EUA contratos no valor de milhares de milhões de dólares para a realização de trabalhos de segurança, e foi particularmente importante para a proteção de pessoas e bens após a invasão do Iraque em 2003.

O maior escândalo ligado à Blackwater foi um incidente em Bagdade em 2007, quando um grupo de mercenários disparou contra uma multidão desarmada, matando 17 pessoas. O incidente teve consequências desastrosas para a reputação da organização, que foi uma das razões pelas quais a direção da empresa decidiu mudar o nome e depois vender a empresa de segurança. Hoje estão sob o guarda-chuva do Constellis.

A empresa recuperou agora mais ou menos dos danos de reputação, na medida em que opera os maiores centros de treino militar privados do mundo e até produz os seus próprios veículos de combate blindados.

Grupo Wagner, mercenários russos

Wagner é um PMC russo com um fundo sombrio, fundado em 2013 por um tenente-coronel reformado do GRU, Dimitry Utykin. A organização tem milhares de tropas, tendo intervindo na guerra civil síria do lado de Assad e na guerra civil ucraniana do lado dos separatistas, mas também servindo na guerra civil líbia ao lado dos soldados do General Haftar e protegendo minas e políticos na República Centro-Africana. Também apareceram mercenários Wagner no Sudão, Bielorrússia e Venezuela.

O grupo Wagner, juntamente com vários pequenos PMC russos, é visto por muitos analistas de segurança como essencialmente um exército substituto do governo russo, representando os interesses do governo Putin em zonas de conflito onde não quer enfrentar as consequências de uma intervenção aberta com as forças russas.

G4S / Allied Universal

Com sede em Londres, a G4S é uma das maiores empresas de segurança privadas do mundo e também uma das maiores do mundo, empregando cerca de 600.000 pessoas em todo o mundo. As suas atividades são muito diversas, pelo que não podem ser descritas como um PMC tradicional; em países não conflituosos são normalmente vistos com guardas de segurança armados, veículos de transporte blindados que guardam cargas de alto valor e bens. É claro que o G4S também está ativo nas zonas de conflito mais perigosas do Médio Oriente, África e América Latina; os seus mercenários totalmente armados fazem tudo, desde a proteção de objetos a desativação de bombas, até à organização de treinos, passando pelo funcionamento de complexos prisionais completos.

A empresa foi comprada pela Allied Universal no ano passado por 3,8 mil milhões de libras, criando a maior empresa de segurança privada do mundo.

Tal como outras grandes empresas de segurança, a G4S tem sido perseguida por escândalos nas suas operações, normalmente relacionados com a manutenção das suas prisões, excessos em zonas de conflito e rastreio de funcionários.

Aegis / GardaWorld

A GardaWorld, a maior empresa de segurança canadiana, também se candidatou à compra do G4S, mas foi derrotada pela Allied Universal. Contudo, em 2015, compraram a Aegis Defence Services, uma das maiores empresas militares privadas do Reino Unido.

O envolvimento da Aegis foi particularmente significativo após a invasão do Iraque e a retirada das tropas dos EUA: o Departamento de Defesa dos EUA adjudicou contratos de PMC no valor de milhares de milhões de dólares para fornecer protecção de locais-chave e logística após as tropas da OTAN terem deixado o país.

A empresa tem estado sob investigação do Pentágono após uma montagem vídeo de mercenários Aegis a disparar contra civis no Iraque, aparentemente sem razão aparente, ter sido colocada na Internet. A investigação concluiu que a montagem continha clips editados sem antecedentes e, dado o contexto, não foi tomada qualquer medida contra os empregados da empresa.

Dyncorp / Amentum

A Dyncorp começou nos anos 40 como uma empresa de aviação e manutenção de aeronaves, entrando no mercado da segurança nos anos 90, com um forte impulso da aquisição da empresa de inteligência e formação militar Phoenix Consulting em 2010. Estiveram e continuam a estar principalmente envolvidos na formação e proteção do pessoal em zonas de conflito no Médio Oriente, África e América Latina, e treinaram cerca de 6.000 polícias e soldados locais, principalmente no Iraque e Afeganistão. Estão também envolvidos na manutenção dos aviões militares da Força Aérea dos EUA.

A Dyncorp também não está isenta dos seus escândalos graves: os seus empregados estiveram envolvidos em casos graves de prostituição e tráfico de seres humanos na Bósnia e no Afeganistão, e no Iraque e em Moçambique, foram feitas alegações de corrupção contra empregados da empresa.

A Dyncorp foi comprada no ano passado pela Amentum, uma empresa de segurança com uma carteira muito vasta. A parceria resultante emprega cerca de 34.000 profissionais de segurança em 105 países de todo o mundo.

Erinys International

Com o nome das deusas vingativas da mitologia grega, a empresa de segurança está sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, com escritórios no Dubai, nos Emirados, no Reino Unido e na África do Sul.

Trabalham principalmente em áreas de alto risco em África e no Médio Oriente, realizando tarefas de segurança, bem como de logística. Após a invasão americana do Iraque, foram os principais responsáveis pela guarda dos poços de petróleo e refinarias capturados em nome do Departamento de Defesa dos EUA e do governo iraquiano.

Em comparação com as outras grandes empresas de segurança, a Erinys não está associada a tantos escândalos, mas surgiu uma imagem dos seus mercenários, mostrando um rapaz iraquiano de 16 anos de idade detido a ser interrogado e rodeado por pneus de automóveis para o impedir de escapar.

CPS chineses

O Partido Comunista Chinês e os seus interesses comerciais afiliados empregam cerca de 30 a 40 empresas de segurança privadas (CPS) em todo o mundo, principalmente para proteger os investimentos em infra-estruturas no âmbito do programa Belt and Road e para assegurar as rotas comerciais e os veículos chineses. Os CPS são idênticos em função dos CPM ocidentais, mas os chineses não gostam de utilizar o termo. Os maiores CPS chineses conhecidos são o COSG, o FSG e o HuaHsin Zhong-an.

Não se sabe exatamente quantas pessoas são empregadas por estas empresas, nem em que medida estão sob a influência direta do PCC – ou seja, em que medida podem ser vistas como o exército privado do partido. O que se sabe é que, tal como noutros países, os exércitos mercenários chineses empregam principalmente ex-soldados, oficiais de inteligência e especialistas em segurança que completaram a sua formação no Exército de Libertação do Povo.

Não há tanta transparência sobre estas empresas como há sobre os seus concorrentes ocidentais, por isso é pouco provável que ouçamos falar de quaisquer escândalos ou má conduta envolvendo CPS chineses – a menos que o problema seja tão grave que seja divulgado aos meios de comunicação ocidentais.

Este artigo foi originalmente publicado em portfolio.hu

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade