Especialistas húngaros recomendam que todos sejam vacinados o mais rapidamente possível

por LMn

Apesar do número decrescente de húngaros que hesitam em ser vacinados contra a Covid-19, o ceticismo generalizado continua a rodear as vacinas russas e chinesas. Entretanto, os peritos húngaros estão a tentar dissipar o medo e convencer as pessoas a serem inoculadas, porque cada tipo de vacina autorizada ajuda a prevenir doenças graves e a morte, e a vacinação em massa seria essencial para uma reabertura segura do país.

Embora um inquérito anterior encomendado pela CE tenha sugerido que a Hungria é um dos sete países da UE com uma taxa de rejeição da vacina do coronavírus superior a 30%, de acordo com a mais recente sondagem do Gabinete Central de Estatística húngaro, a vontade dos húngaros de se vacinarem está a aumentar constantemente, e até agora, apenas um húngaro em cada quatro rejeita completamente a vacinação.

Apesar do ceticismo derretido em torno da vacinação, a credibilidade das vacinas russas e chinesas é ainda extremamente baixa entre os húngaros.

O governo de Orbán, embora critique a UE pela lenta implementação das vacinas ocidentais, defende estas vacinas, afirmando que já provaram a sua eficácia noutros países e que é do interesse de todos os húngaros serem vacinados. A vacina russa Sputnik V recebeu mesmo autorização preliminar do Instituto Nacional de Farmácia e Nutrição (OGYÉI) na semana passada, muito antes de obter a certificação da Agência Médica Europeia (EMA).

A reabertura do país está condicionada à vacinação em massa – o governo de Orbán tem sido claro a este respeito. Assim, só quando a vacinação em massa for realizada é que as pessoas poderão “recuperar as suas vidas (ou empregos)”. De acordo com a declaração do governo, embora não tenha sido formulada com rigor, parece que ou as pessoas aceitam as vacinas russas e chinesas, ou esperam muitos meses até que as vacinas ocidentais estejam disponíveis e a Hungria possa reabrir.

Especialistas afirmqm que as vacinas são seguras

Entretanto, muitos peritos húngaros começaram a fazer campanha para dissipar o medo em torno das vacinas Covid.

O Reitor da Universidade de Semmelweis, Béla Merkely, tentou convencer aqueles que ainda não sabem se devem ser vacinados no último vídeo da campanha de vacinação do governo.

Merkely, membro do grupo consultivo do PM Orbán sobre o coronavírus, disse que a vacina desencadeia o sistema imunitário do corpo, que só em casos extremamente raros causa complicações significativas, mas pode ser curado. Em contrapartida, a infeção pelo coronavírus pode facilmente ter consequências muito graves, incluindo a necessidade de ventilação, falência de múltiplos órgãos, e mesmo a morte, sublinhou.

Numa entrevista com o ATV, o virologista Ferenc Jakab, o antigo líder do grupo de ação do coronavírus de Orbán, afirmou que “se os factos científicos e as publicações apoiam a eficácia de uma vacina, então não há vacina [disponível na Hungria] com a qual não devamos ser inoculados”.

Segundo Jakab, alguém que é vacinado provavelmente não transmitirá o vírus a outros; e a vacinação pode ser útil mesmo para alguém que já tenha contraído a doença antes.

Existe de facto uma diferença entre vacinas de primeira, segunda e terceira geração, mas a maior ameaça é se apanharmos o vírus, ficarmos gravemente doentes e formos hospitalizados”, enfatizou Jakab.

János Szlávik, infectologista chefe do Hospital Center of South-Pest, também encoraja as pessoas a deixarem de lado a sua desconfiança e a serem vacinadas o mais depressa possível.

A segurança não é um problema, estas vacinas muito raramente têm efeitos secundários graves, afirmou no mais recente podcast do Presidente János Áder.

Respondendo à sugestão de János Áder de que, devido à quantidade limitada de vacinas, não é atualmente possível escolher entre os diferentes tipos, apenas escolher se se deve esperar até ao Verão por uma vacina ocidental ou administrar uma chinesa dentro de poucos dias, Szlávik respondeu que a imunização o mais cedo possível é a escolha certa.

Há de facto uma diferença na eficácia, mas independentemente de uma vacina ser 95% eficaz, enquanto outra é apenas 80, ambas param a epidemia, prevenindo doenças graves e a morte.

MTI/Dailynweshungary

Foto em destaque por Márton Mónus/MTI

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade