Entre Lisboa e Budapeste – Fotografia de Ricardo Hipólito e Poesia de Pedro Assis Coimbra (III)

por Pedro Assis Coimbra

Coração de Basalto

Quem diria, quem diria
que o carteiro do bairro
com tons africanos fraternos
e andar desalinhado
cantava o que escrevia
aos sons infiéis do amor.

– Que horas são no teu coração
rapariga? Melro de basalto
nos silêncios do batuque
e nas linhas ténues da dança.
Rapariga que horas são
nas folhas difusas do amor?

Que horas são no teu coração?
Pão caseiro chapéus de palha
das figuras perfis dos sinos
e na capelinha dos abraços.
Plantações tropicais da saudade
no passado Lisboa do fado.

Que horas são no teu coração
rapariga? Ternura primeira!
No meu coração que pesquisas?
Que relógio de bolso consertas
e deitas pela boca fora
ou pela janela rapariga?

In “Palavras do Fado” do livro “As Palavras Que Ficaram”

https://pedroassiscoimbra.blogspot.com/

“Lisboa de Pessoa”, Travessa do Alcaide por Ricardo Hipólito

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade