Entre Lisboa e Budapeste – Arte de Vanessa Azevedo e Poesia de Pedro Assis Coimbra

por Pedro Assis Coimbra

RUA DA SAUDADE

“Que ficará na memória
das naus que de Abril partiram”
in “As Portas Que Abril Abriu”

De cobre e estanho antes se invadiu a guerra
e hoje se semeia o corpo se fabrica o pão
se transforma bronze o mais duro da nossa terra.

Entre pressa e vagares sente algum pudor adulto
despe-se com cuidado que as janelas estão abertas
e os pardais telhado atentos espreitam descarados.

De tão abandonada por dentro dos pensamentos
de entrega ao prazer que se aproxima deixa distraída
esquecido o último obstáculo sobre as teclas do piano.

Na rua lá em baixo com a ternura não se sabia
se o que se ouvia era uma das melodias famosas
que assumiam o amor às vezes a luta de classes.

Se o gozo perfeito a festa linda do seu coração.
Morrer? Morrer agora? Morrer asssim canção?
Só quando não tiver mesmo mais nada para fazer.

In “Mais Palavras” do livro “As Palavras Continuam”
https://pedroassiscoimbra.blogspot.com/

Vanessa Azevedo – Rua da Saudade, Lisboa
Aguarela/watercolour
70x50cm
https://www.facebook.com/vanessa.azevedo.9619

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade