Entre Lisboa e Budapeste – A arte das imagens e as palavras da poesia. Ilustração de Inna Korneeva e Poema de Pedro Assis Combra (IV)

por Pedro Assis Coimbra

NÃO SEI MEU AMOR

Não sei meu amor
não sei porque só exijo
um pedaço de pão trigo
para secar nos teus lábios
a doçura do limão
e sonhar no teu sorriso
o meu abrigo.

São os teus olhos
de cor nem sei
de formiga talvez negros
voam neles – nos teus olhos –
um bando de pombas bravas
e a liberdade imagina
das noites do fado antigo.

Depois nos contornos da sombra
na intimidade da água
e nas colinas da luz
se perguntas que digo?
Não sei meu amor não sei
de quem é o ninho do campanário
se é teu ou de algum perseguido?

In “Palavras do Fado” do livro “As Palavras que Ficaram”

https://www.facebook.com/Drawings-Inna-Korneeva-118942024935737

https://pedroassiscoimbra.blogspot.com/

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade