Discurso de Viktor Orbán (II): “Vamos atravessar a parede mais grossa e vamos ganhar de novo”

por LMn | MTI

Se o Fidesz-KDNP puder continuar a governar, a Hungria pode voltar a fazer enormes progressos nos próximos dez anos e avançar para se juntar ao grupo dos países desenvolvidos, disse o Primeiro-Ministro Viktor Orbán no 29º congresso do partido Fidesz, em Budapeste, no domingo passado.

“Podemos eliminar a pobreza”. Podemos tornar-nos num país que é verde, saudável, preserva os seus tesouros naturais, e uma nação que vive mais tempo e vidas mais saudáveis”, disse Orbán.

“Nos próximos meses, veremos coisas que nunca tinham sido vistas antes. Começou com o bónus de pensão de 80.000-forint pago aos pensionistas e continuará com o pagamento da pensão completa do 13º mês”, acrescentou Orbán.

Os jovens não pagarão o imposto sobre o rendimento pessoal a partir de Janeiro, o salário mínimo será de 200.000 forints (548 euros) e o salário mínimo para trabalhadores qualificados será de 260.000 forints, disse o primeiro-ministro, acrescentando que aos membros das forças armadas e da polícia será pago um bónus de seis meses. Os salários dos enfermeiros e dos que trabalham nos sectores social e cultural aumentarão 20%. As famílias serão reembolsadas do imposto pago em 2021. “Isto nunca tinha acontecido antes”, disse Orbán.

Orbán disse que “dezasseis anos na oposição e dezasseis anos no governo só podem ser feitos com inabalável otimismo, confiança e fé profunda”, acrescentando que Fidesz é uma comunidade política cujos membros “acreditam no patriotismo e na vida produtiva”.

Viktor Orbán disse que um governo ou um país não pode ser bem sucedido se não tiver objetivos claros. Disse que o Fidesz tinha estabelecido objectivos claros há doze anos que incluíam a criação de um milhão de empregos, a restauração da ordem pública e da segurança pública, a protecção dos reformados e do valor das suas pensões, dando prioridade às famílias, restaurando Budapeste à sua fama anterior, cuidando das comunidades húngaras no estrangeiro e defendendo os interesses dos húngaros em Bruxelas, entre outros.

“Assumimos o controle de um país falido pelos Socialistas, que reanimámos e colocámos num caminho de crescimento”, disse Orbán. “Este é o nosso bem moral, e é por isso que estamos novamente a pedir o apoio dos eleitores húngaros”, disse ele.

Outros recomendam que a Hungria não se deve esforçar por mais, disse o primeiro-ministro. Não podemos contentar-nos com o que alcançámos porque ainda há húngaros que são pobres. Ainda não há crianças suficientes a nascer. Nem todos têm um bom lar. Nem todos têm um salário ou uma pensão suficientemente altos. Muito simplesmente, precisamos de mais. Porque nos contentaríamos com o que temos?”.

Orbán disse que a segurança é a questão mais importante também para a Hungria quando o mundo enfrenta desafios colocados pela migração e por uma pandemia. “O objectivo mais importante para nós é salvaguardar o que alcançámos até agora; temos de proteger as nossas fronteiras dos migrantes”, disse Orbán.

Orbán disse que outro desafio era um plano de uma rede internacional liderada por Bruxelas” para cobrar “impostos brutais” às famílias, alegando que deveriam pagar os custos das medidas de protecção do clima em vez das empresas multinacionais, os maiores poluidores. “A situação é bastante preocupante em toda a Europa, e é particularmente perigosa na Hungria, porque haverá aqui eleições gerais”, disse Orbán.

“Bruxelas deve ser completamente renovada antes de cair aos pedaços”. Orbán disse que a União Europeia está a tropeçar de crise em crise, “uma sombra de cor de arco-íris”, e “se continuar assim, irá definhar como a lua minguante”. É por isso que Fidesz apoia a iniciativa polaca de reorganizar toda a direita europeia, afirmou.

“Não devemos aceitar passivamente todos os planos de Bruxelas”, disse Orbán, acrescentando que “queremos manter a nossa soberania e não queremos um Estados Unidos da Europa em vez da integração”. “Apoiamos a integração, mas não a unificação”, disse o primeiro-ministro. O nosso objectivo é provocar mudanças, “não temos a mínima intenção de sair da UE, não é assim tão fácil livrar-se de nós”, disse, acrescentando que “vamos ficar e exigir mudanças”.

A unificação por furto deve ser travada, disse Orbán, porque isso não é do interesse dos povos da Europa, mas sim dos políticos e burocratas e dos líderes das empresas multinacionais. “Opomo-nos à criação de uma nova raça humana europeia que seja politicamente correcta e pense em termos multiculturais, cada Estado tem o direito de ficar de fora, tal como nós temos o direito de ficar de fora do grande plano de realojamento europeu disfarçado de migração”, disse.

Orbán disse que os países da Europa Ocidental e os Estados Unidos estão gradualmente a perder o seu papel de líderes económicos. “Esta é uma situação nova, e nós, húngaros, temos de nos adaptar a isso”, acrescentou.

Temos de estabelecer as melhores relações comerciais e económicas possíveis com a Ásia e a China”. Respeito mútuo, boas relações diplomáticas, expansão dos investimentos, comércio crescente”: este é o interesse húngaro”, disse Orbán.

Se um partido tiver encontrado uma forma de servir não os ideais e ideologias mas o povo e estiver disposto a agir em conformidade, tornar-se-á uma força a ter em conta, disse o primeiro-ministro. “Conseguimos agarrar a oportunidade: um partido forte e unido com uma visão séria, paixão e entusiasmo de um lado, e partidos minúsculos e famintos de poder do outro lado”, disse ele.

“Com as nossas políticas, mesmo aqueles que não votam em nós estão melhor, enquanto que com as políticas da esquerda, mesmo aqueles que votam nelas estão pior”, acrescentou ele.

“Acreditamos no trabalho, e é por isso que vamos ganhar”, disse Orbán. Nos últimos meses, apesar da pandemia, “reacendemos os motores” e “a economia está a funcionar”.

“O nosso programa é apoiado por uma maioria esmagadora na sociedade”, disse Orbán. “A única questão é se esta maioria social se tornará uma maioria eleitoral”, disse ele, acrescentando que “acredito que o será se trabalharmos arduamente nas semanas restantes”.

Ele observou que muitas pessoas assistiram à comemoração (da revolta de 1956) a 23 de Outubro, mas “haverá duas ou três vezes mais de nós quando chegarmos a recta final,  e atravessaremos a parede mais espessa e ganharemos novamente, porque a Hungria tem de avançar e não recuar”, disse o primeiro-ministro.

 

Fonte: MTI

Crédito da foto: Szilárd Koszticsák/MTI

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade