Depressão tropical deverá formar-se em Cabo Verde nas próximas horas – instituto

por LMn | Lusa

Uma pressão tropical deverá formar-se nas próximas 24 horas em Cabo Verde, com ocorrência de chuvas, intensificação do vento e possível agravamento do estado do mar, previu hoje o Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMF) cabo-verdiano.

“As previsões apontam para a formação de um sistema de baixa pressão junto a Costa Ocidental Africana (nas proximidades de Guiné-Conacri), com forte probabilidade de evoluir para uma depressão tropical nas próximas 24 horas enquanto se desloca na direção Oeste-Noroeste, podendo condicionar o estado do tempo em todo o arquipélago”, informou aquele instituto cabo-verdiano em comunicado.

Segundo a mesma fonte, a deslocação deste sistema poderá ser acompanhada de ocorrência de precipitação, intensificação do vento e possível agravamento do estado do mar.

Aquele instituto cabo-verdiano garantiu que vai continuar a acompanhar as previsões a vigilância do estado do tempo no arquipélago.

Há vários dias que tem chovido um pouco por todo o arquipélago de Cabo Verde, e na madrugada de quinta-feira passada com alguma intensidade na cidade da Praia, provocando alagamentos e inundações e deixando centenas de famílias em risco, devido às construções clandestinas e precárias, segundo a Proteção Civil.

Na altura, o presidente interino do Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros (SNPCB) de Cabo Verde, Hélio Semedo, referiu que atualmente se vive a época ciclónica, que se iniciou a 01 de junho e vai até 01 de novembro, fazendo com que a qualquer momento o país possa enfrentar uma depressão tropical, com chuvas torrenciais.

Na semana passada, as chuvas voltaram a cair na ilha da Boa Vista e afetaram cerca de 250 famílias, sobretudo no bairro denominado de Barraca, a escassos metros do centro de Sal-Rei, principal localidade da ilha.

Em 12 de junho, o Governo cabo-verdiano previu mais um ano de pouca chuva no arquipélago e anunciou um conjunto de medidas para proteger a campanha agrícola, reforçar a resiliência das populações e adaptar o setor aos efeitos das mudanças climáticas.

Na altura, o secretário de Estado da Economia Agrária, Miguel da Moura, disse que para Cabo Verde as previsões apontam que as chuvas vão ser “deficitárias a próximas da média” (264 milímetros) no trimestre julho – agosto – setembro, (264 milímetros), mas são mais animadoras entre agosto e outubro, com uma tendência considerada “dentro da média”, isto é, 294 milímetros.

Segundo o porta-voz do Governo, as informações indiciam a probabilidade de ocorrência de dois cenários para o ano agrícola 2021-2022, como sejam chuvas deficitárias e próximas da média anual e um ano com chuvas dentro da média anual.

Em fevereiro, o ministro da Agricultura e Ambiente cabo-verdiano, Gilberto Silva, disse que em 2020 o país ficou “longe” de um ótimo ano agrícola em termos de produção, mas garantiu que ainda assim foi melhor do que os três anos de seca anteriores.

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade