Comboios a hidrogénio à espera de combustível europeu para arrancar

por LMn

CP quer transformar Vouguinha no primeiro comboio português a hidrogénio. IP vai ceder linhas, a partir de 2023, para testes de protótipo desenvolvido por três países.

Portugal participa em dois projetos para desenvolver comboios a hidrogénio. A CP lidera um grupo nacional para estudar a transformação das automotoras a gasóleo que circulam na linha do Vouga. A Infraestruturas de Portugal (IP) integra um consórcio com mais três países para adaptar um veículo elétrico. Os dois projetos para comboios regionais dependem, contudo, do combustível europeu para chegarem à fase de testes, a partir de 2023.

A CP lidera o projeto H2Rail, que contempla um investimento de 34,6 milhões de euros. “Gostaríamos de explorar a possibilidade de substituição de um motor diesel pela utilização de células de combustível a hidrogénio, passando a gerar eletricidade por essa via”, explica ao Dinheiro Vivo o vice-presidente da CP, Pedro Moreira.

O H2Rail reúne as competências de quatro parceiros: CaetanoBus, por causa das células de combustível para autocarros a hidrogénio; CP, especialista no material circulante; NomadTech, que domina a eletrónica; e ainda a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e a Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio.

Para já, foi apresentada uma candidatura, em articulação com o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, junto do mecanismo europeu IPCEI. Desta forma, o projeto poderá receber financiamento para ser compatível com as regras do mercado interno e que contribua para os objetivos da União Europeia. Este dinheiro será fundamental para implementar as seis fases do projeto liderado pela CP.

Diogo Ferreira Nunes

Dinheirovivo.pt

 

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade