Choque de cristandades: Porque é que a Europa não consegue compreender a Rússia?

por LMn

Os europeus ocidentais vêm os ortodoxos e os cristãos orientais como sátrapas e um bando de contrabandistas, enquanto os ortodoxos consideram os cruzados como usurpadores bárbaros inclinados para a conquista mundial.

Por Pepe Escobar

Sob uma atmosfera ubíqua e tóxica de dissonância cognitiva encharcada na russofobia, é absolutamente impossível ter um debate significativo sobre pontos mais finos da história e cultura russas em todo o espaço da OTAN – um fenómeno que estou a experimentar neste momento em Paris, fresco de um longo período de tempo em Istambul.

Na melhor das hipóteses, num semblante de diálogo civilizado, a Rússia é apanhada de surpresa na visão reducionista de um império ameaçador, irracional e em constante expansão – uma versão mais perversa da Roma Antiga, da Pérsia Aqueménida, da Turquia otomana ou da Índia Mongol.

A queda da URSS, há pouco mais de três décadas, atirou a Rússia de volta três séculos atrás – para as suas fronteiras no século XVII. A Rússia, historicamente, tinha sido interpretada como um império secular – imenso, múltiplo e multinacional. Tudo isto é informado pela história, muito viva ainda hoje no inconsciente coletivo russo.

Quando a Operação Z começou, eu estava em Istambul – a Segunda Roma. Passei um tempo considerável dos meus passeios noturnos pela Hagia Sophia, refletindo sobre as correlações históricas da Segunda Roma com a Terceira Roma – que por acaso é Moscovo, uma vez que o conceito foi enunciado pela primeira vez no início do século XVI.

Mais tarde, de regresso a Paris, o banimento do território solilóquio pareceu-me inevitável até que um académico me apontou alguma substância, embora fortemente distorcida pelo politicamente correto, disponível na revista francesa Historia.

Há pelo menos uma tentativa de discutir a Terceira Roma. O significado do conceito era inicialmente religioso antes de se tornar político – encapsulando o impulso russo para se tornar o líder do mundo ortodoxo, em contraste com o catolicismo. Isto tem de ser entendido também no contexto das teorias pan-eslavas que surgiram sob o primeiro Romanov e que depois atingiram o seu apogeu no século XIX.

O eurasianismo – e as suas várias declinações – trata a complexa identidade russa como uma dupla face, entre o Oriente e o Ocidente. As democracias liberais ocidentais simplesmente não conseguem compreender que estas ideias – infundindo marcas variadas de nacionalismo russo – não implicam hostilidade à Europa “iluminada”, mas uma afirmação da Diferença (poderiam aprender um pouco com a leitura de mais Gilles Deleuze para esse efeito). O eurasianismo também pesa nas relações mais estreitas com a Ásia Central e nas alianças necessárias, em vários graus, com a China e a Turquia.

Um ocidental liberal perplexo permanece refém de um vórtice de imagens russas que não consegue descodificar devidamente – desde a águia de duas cabeças, que é o símbolo do Estado russo desde Pedro o Grande, até às catedrais do Kremlin, a cidadela de São Petersburgo, o Exército Vermelho a entrar em Berlim em 1945, os desfiles de 9 de Maio (o próximo será particularmente significativo), e figuras históricas de Ivan o Terrível a Pedro o Grande. Na melhor das hipóteses – e estamos a falar de “especialistas” de nível académico – identificam todas as imagens acima como “flamboyant e confuso”.

A divisão cristã/ortodoxa

O próprio oeste liberal aparentemente monolítico também não pode ser compreendido se esquecermos como, historicamente, a Europa é também uma besta de duas cabeças: uma cabeça pode ser rastreada desde Carlos Magno até à terrível máquina eurocrata de Bruxelas; e a outra vem de Atenas e Roma, e via Bizâncio/Constantinopla (a Segunda Roma) chega até Moscovo (a Terceira Roma).

A Europa Latina, para os ortodoxos, é vista como um usurpador híbrido, pregando um cristianismo distorcido que apenas se refere a Santo Agostinho, praticando ritos absurdos e negligenciando o importantíssimo Espírito Santo. A Europa dos Papas Cristãos inventou o que é considerado uma hidra histórica – Bizâncio – onde os bizantinos eram na realidade gregos que viviam sob o Império Romano.

Os europeus ocidentais, por seu lado, vêm os ortodoxos e os cristãos do Oriente (ver como foram abandonados pelo Ocidente na Síria sob o ISIS e a Al Qaeda) como sátrapas e um bando de contrabandistas – enquanto os ortodoxos consideram os cruzados, os chevaliers teutónicos e os jesuítas – corretamente, devemos dizer – como usurpadores bárbaros inclinados para a conquista mundial.

No cânone ortodoxo, um grande trauma é a quarta Cruzada em 1204, que destruiu completamente Constantinopla. Os chevaliers franciscanos evisceraram a metrópole mais deslumbrante do mundo, que reunia na altura todas as riquezas da Ásia.

Essa foi a definição de genocídio cultural. Aconteceu também que os francos estavam alinhados com alguns saqueadores em série notórios: os venezianos. Não admira que, a partir desse momento histórico, tenha nascido um slogan: “Melhor o turbante do Sultão do que a tiara do Papa”.

Assim, desde o século VIII, a Europa carolíngia e bizantina estavam de facto em guerra através de uma Cortina de Ferro do Báltico para o Mediterrâneo (compare-a com a emergente Nova Cortina de Ferro da Guerra Fria 2.0). Após as invasões bárbaras, não falavam a mesma língua nem praticavam a mesma escrita, ritos ou teologia.

Esta fratura, de forma significativa, também invadiu Kiev. O oeste era católico – 15% dos católicos gregos e 3% dos latinos – e no centro e no leste, 70% ortodoxos, que se tornaram hegemónicos no século XX, após a eliminação das minorias judaicas, principalmente pelas Waffen-SS da divisão da Galiza, os precursores do batalhão Azov da Ucrânia.

Constantinopla, mesmo em declínio, conseguiu fazer um jogo geo-estratégico sofisticado para seduzir os eslavos, apostando na moscovite contra a combinação polaco-lituana católica. A queda de Constantinopla em 1453 permitiu a Moscovite denunciar a traição dos gregos e dos arménios bizantinos que se reuniam em torno do Papa Romano, que desejava muito um cristianismo reunificado.

Mais tarde, a Rússia acaba por se constituir como a única nação ortodoxa que não se encontrava sob o domínio otomano. Moscovo considera-se – como Bizâncio – como uma sinfonia única entre poderes espirituais e temporais.

A Terceira Roma torna-se um conceito político apenas no século XIX – depois de Pedro o Grande e Catarina a Grande terem expandido vastamente o poder russo. Os conceitos-chave da Rússia, Império e Ortodoxia são fundidos. Isto implica sempre que a Rússia precisa de um “quase estrangeiro” – e isso tem semelhanças com a visão do Presidente russo Vladimir Putin (que, significativamente, não é imperial, mas cultural).

Como o vasto espaço russo tem estado em constante fluxo durante séculos, isso implica também o papel central do conceito de cerco. Todos os russos estão muito conscientes da vulnerabilidade territorial (recorde-se, para começar, Napoleão e Hitler). Quando a fronteira ocidental é invadida, é uma viagem fácil até Moscovo. Assim, esta linha muito instável deve ser protegida; a correlação atual é a ameaça real da Ucrânia feita para acolher as bases da OTAN.

Em direção a Odessa

Com a queda da URSS, a Rússia viu-se numa situação geopolítica encontrada pela última vez no século XVII. A lenta e dolorosa reconstrução foi liderada por duas frentes: a KGB – mais tarde FSB – e a igreja ortodoxa. A interação ao mais alto nível entre o clero ortodoxo e o Kremlin foi conduzida pelo Patriarca Kirill – que mais tarde se tornou o ministro dos assuntos religiosos de Putin.

A Ucrânia, por seu lado, tinha-se tornado um protetorado de facto de Moscovo em 1654 ao abrigo do Tratado de Pereyaslav: muito mais do que uma aliança estratégica, foi uma fusão natural, em curso há muito tempo por duas nações eslavas ortodoxas.

A Ucrânia cai então sob a órbita russa. O domínio russo expande-se até 1764, quando o último carrasco ucraniano (comandante-chefe) é oficialmente deposto por Catarina a Grande: é então que a Ucrânia se torna uma província do império russo.

Como Putin deixou bem claro esta semana: “A Rússia não pode permitir a criação de territórios anti-russos em redor do país”. A operação Z abrangerá inevitavelmente Odessa, fundada em 1794 por Catarina, a Grande.

Os russos na altura tinham acabado de expulsar os otomanos do noroeste do Mar Negro, que tinha sido dirigido sucessivamente por godos, búlgaros, húngaros e depois povos turcos – até aos tártaros. Odessa no início era povoada, acreditem ou não, por romenos que foram encorajados a estabelecer-se ali após o século XVI pelos sultões otomanos.

Catarina escolheu um nome grego para a cidade – que no início não era de todo eslava. E muito tal como São Petersburgo, fundada um século antes por Pedro o Grande, Odessa nunca deixou de namoriscar com o Ocidente.

O Czar Alexandre I, no início do século XIX, decide transformar Odessa num grande porto comercial – desenvolvido por um francês, o Duque de Richelieu. Foi a partir do porto de Odessa que o trigo ucraniano começou a chegar à Europa. No virar do século XX, Odessa é verdadeiramente multinacional – depois de ter atraído, entre outros, o génio de Pushkin.

Odessa não é ucraniana: é uma parte intrínseca da alma russa. E em breve as provações e tribulações da história torná-lo-ão novamente assim: como uma república independente; como parte de uma confederação Novorossiya; ou ligado à Federação Russa. O povo de Odessa decidirá.

Original aqui

Trad. Arnaldo Rivotti | LMn

As opiniões contidas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Lusomagyar News

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade