Caminhar em Contramão – Aero-Bairro (Pestszentlőrinc-Pestszentimre, XVIII)

por Vitor Vicente

Ainda sou do tempo em que, para ir de transportes públicos ao aeroporto de Budapeste, éramos obrigados a apanhar a retro-linha 3 do metro e fazer transbordo para um autocarro na inóspita estacão rodoviária de Köbánya-Kispest; a contrário percurso eram forçados os mui nobre turistas da Europa do Oeste, após aterrarem em List Ferenz, esperava-lhes a viagem de boas-vindas a uma cidade ex-comunista, logo carente de infraestruturas aos seus opulentos franco-germanos (ou nórdicos) olhos.

Sou igualmente do tempo em que substituíram tal trajeto com uma única carreira de autocarro, tendo como saída/destino o centro de Budapeste, reduzindo a duração do dito a cerca de trinta ou quarenta minutos. Dada a popularidade da Pérola do Danúbio e o exponencial crescimento de húngaros em deslocações internacionais por razões de trabalho/lazer, o aerobus rebentou pelas costuras, obrigando o BKK a aumentar a sua frequência. (Nada de novo por estas bandas, caros snobs ocidentais. Uma linha de elétrico assegura, 24 sobre 24 horas, o fácil acesso ao coração da capital húngara; enquanto os senhores se servem de robustos salários para pagar a fatura do táxi ou chamar um Uber que os leve para a que os pariu.)

Também sou do tempo em que a pandemia impactou, em sentido inverso, a frequência da supradita carreira, e finalmente (fatalmente) a suspendeu.

Estas alterações deram-se num curto período de quatro anos, reforçando-me a ideia de que ter-se-ão produzido no mundo maior número numero de transformações nas últimas duas décadas do que em todo o século XX.

Alguns dirão ser do tempo do antigo aeroporto Ferihegy, de que restam o terminal de comboios (e o respetivo avião desenhado junto ao nome da dita) e as castiças (agora carcaças) aeronaves da MAV; empresa que – e para que conste aos povos prósperos – não entrou em bancarrota por falta de florins no país, antes para dar lugar a uma nova companhia, a Wizzair, gerida por nativos e financiada por investimento privado, preanunciando nos céus o desenvolvimento económico da Hungria que aí vinha.

Pestszentlőrinc-Pestszentimre, com ou sem transbordos aka transtornos, manteve o estatuto de bairro do aeroporto. Independentemente de terminais e transportes públicos, de épocas mais ou menos virulentas, tendemo-lo a ver como lugar de passagem; em justaposição com aquelas paisagens que deixamos para trás ou que urge desbravar para bem da nossa saúde (também ela em correlação curiosa com as chamadas crises sanitárias).

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade