Cabo Verde abre concurso para concessão de jogo em São Vicente

por LMn | Lusa
image_pdfimage_print

O Governo cabo-verdiano vai avançar com a concessão da exploração de jogos de fortuna ou azar na zona de Jogo da ilha de São Vicente, a terceira do país, conforme decreto promulgado pelo Presidente.

A informação foi prestada pelo própria Presidência da República, referindo que o chefe do Estado, José Maria Neves, promulgou na quarta-feira o decreto-regulamentar que autoriza abertura do concurso público para esse efeito.

O empresário Jacques Monnier disse à Lusa em 01 de agosto passado que propôs ao Governo cabo-verdiano a construção de um casino na cidade do Mindelo, projeto que, garantiu o empreendedor francês que já explora o único casino em Cabo Verde, pode mudar a ilha de São Vicente.

“Entreguei um pedido para uma licença de jogo no Mindelo, estou à espera de uma resposta favorável do Governo”, observou o empresário, de 55 anos, com investimentos no Sal, a ilha mais turística de Cabo Verde, onde reside a maior parte do tempo há uma década.

É em Santa Maria que detém o Hotel Hilton, o único de cinco estrelas em Cabo Verde, e contíguo Casino Royal, a funcionar desde dezembro de 2016 e ainda o único no arquipélago.

Com uma população residente três vezes superior na ilha de São Vicente, face ao Sal, garante que o projeto que apresentou para o casino no Mindelo é “muito maior”.

“Para o Mindelo será [um projeto] espetacular e sei que as autoridades estão a puxar por esta ilha e pode ser decisivo para a cidade ter um casino. Estamos a falar, no Mindelo, de criar 120 empregos diretos”, afirma, estimando um investimento de cinco milhões de euros para o empreendimento.

Cabo Verde atribuiu até ao momento duas concessões, para a zona de jogo do Sal e outra para a zona de jogo de Santiago (Praia), no âmbito da lei de jogos, que define cinco zonas permanentes do jogo, em Santiago, São Vicente, Sal, Boavista e Maio.

Contudo, o único casino em funcionamento em Cabo Verde localiza-se em Santa Maria, detido pelo empresário francês, onde emprega 85 trabalhadores.

O ministro do Turismo de Cabo Verde, Carlos Santos, afirmou em 2020 à Lusa que o Governo definiu na estratégia até 2030 a necessidade de um “desenvolvimento sustentável do turismo” em Cabo Verde, mantendo “produtos âncora”, como o sol e praia, reforçando a aposta nos cruzeiros e no turismo de natureza, mas também no jogo.

“O jogo é um setor em que queremos continuar a apostar, respeitando todas a regras e boas práticas internacionais, porque atrai um tipo de cliente que tem um poder de compra muito razoável”, assumiu o governante.

O mais emblemático projeto nesta área é o hotel-casino que o grupo Macau Legend está a construir na Praia, num projeto inicial de 250 milhões de euros, mas com sucessivos adiamentos na conclusão e praticamente sem avanços visíveis na obra nos últimos anos.

PVJ // VM

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade