Budapeste. Instituto e Homenagem a Imre Kertész. Prémio Nobel da Literatura de 2002

por LMn

O Primeiro Ministro Viktor Orbán inaugurou o novo Instituto Imre Kertész em Budapeste.

O primeiro-ministro Viktor Orbán inaugurou no sábado o novo Instituto Imre Kertész de Budapeste. No seu discurso de abertura, o primeiro-ministro disse que “Kertész, um homem de vasto intelecto, não poderia ser rotulado em uma única categoria e não havia dúvida de que o seu legado deveria estar em Budapeste, e não em Berlim, porque esta era sua cidade”.

No seu discurso, Viktor Orbán incluiu várias citações de Kertész e disse que “o anti-semitismo é contágio, uma epidemia ideológica, um passatempo para almas sujas que se transforma em assassinato”, e criticou a esquerda húngara por “ter indigitado um anti-semita” para a eleição parlamentar intercalar deste domingo, no círculo eleitoral uninominal de Tiszaújvaros-Szerencs, no nordeste da Hungria.

O primeiro-ministro também citou Kertész dizendo que “não há espécie chamada sociedade multicultural”. Segundo Orbán, para Kertész os problemas da civilização europeia devem ser resolvidos dentro dessa mesma civilização porque “soluções importadas não funcionam, seja ideologia ou pessoas”. Ele acrescentou que “um espírito liberal, originalmente todas as boas intenções, levou os intelectuais ao niilismo e as massas à incerteza por causa da falta de fé do pós-moderno.”

Orbán disse que disputas “acaloradas e de baixo nível” em torno da conquista do Prémio Nobel por Kertész “o colocaram em uma gaveta onde ele não gostaria de estar, porque um intelecto profundo não poderia ser restringido por barreiras”, acrescentando que o autor “ficou de fora do comunismo porque queria viver limpo ”e optou por não participar. “Ele escolheu a emigração interna em Budapeste”, disse Orbán.

Referindo-se ao novo instituto, Orbán disse que o governo húngaro empreendeu projetos culturais “além das suas possibilidades” porque “somos uma nação de cultura”. Ele disse que o governo húngaro gastou mais de 4.000 mil milhões de forints em tais projetos desde 2010, e citou como exemplos o Projeto Liget, um complexo de museus no Parque da Cidade de Budapeste, a renovação da Ópera Estatal e o financiamento para a indústria cinematográfica.

Fonte: Hungary Today

Crédito da Imagem: The Guardian

Sinopse biográfica de Imre Kertész:

Imre Ketrész nasceu em Budapeste, a  9 de novembro de 1929. Escritor  húngaro de religião judaica, sobrevivente do holocausto. Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 2002, “por escrita que confirma a frágil experiência do indivíduo face à arbitrariedade bárbara da história”. A obra mais conhecida de Kertész, Sem destino (Sorstalanság), foi publicado em 1975 e narra a história de Köves György (Gyurka), um rapaz judeu de apenas quinze anos que se vê subitamente afastado da família e é levado para campos de concentração de Auschwitz e posteriormente para Buchenwald e Zeits, durante a Segunda Guerra Mundial. Nestes locais, Gyurka assiste a situações de desumanidade, de grande crueldade, perpetrados por parte do comando nazi. Contudo, através do olhar deste personagem, todos acontecimentos são narrados sem dramatismo, nem tom moralizante, antes pelo contrário, tais episódios são encarados como experiências de vida, tão naturais quanto outras que temos de enfrentar ao longo da nossa existência enquanto seres humanos. A obra de Kertész foi interpretada por alguns críticos como quase-autobiográfica, mas o autor desmentiu uma forte ligação à sua biografia. A partir de Sem destino foi rodado um filme em 2005. O Sorstalanság (Sem destino) foi e traduzido para portugués por Ernesto Rodrigues e publicado em 2003. Imre Kertész faleceu em Budapeste em 31 de março de 2016.

Fonte: Wikipedia

 

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade