Budapeste entre as melhores cidades do mundo para estudar

por LMn

Budapeste é um dos melhores destinos que pode escolher para as suas férias. É barato (especialmente quando se trata de cervejas), cheio mas não sufocante, tem uma vibrante vida noturna durante toda a semana, e, mais importante ainda, é absolutamente deslumbrante.

Quacquarelli Symond (QS), uma empresa britânica especializada na análise de instituições de ensino superior em todo o mundo, deu-nos apenas mais uma razão para vir visitar a capital húngara. Budapeste foi escolhida como uma das Melhores Cidades Estudantis 2022 do mundo.

A cidade ocupa a honrosa 58ª posição entre as 200 cidades classificadas com base em vários fatores. Da região, apenas Viena e Praga conseguiram melhor classificação. A lista tornada pública nesta quarta-feira é novamente liderada por Londres, Munique, Seul, e Tóquio.

Da região da Europa Central, Viena teve as melhores pontuações, onde as universidades atraem, ano após ano, cada vez mais estudantes húngaros.

Existem 35 instituições de ensino superior a operar em Budapeste, entre as quais três estão incluídas na lista das Melhores Universidades do Mundo 2022 (ELTE, BME, e Corvinus). Além disso, muitas universidades oferecem a possibilidade de estudar numa língua estrangeira, geralmente em inglês, francês, ou alemão.

Embora a 58ª posição seja bastante positiva,  tanto para a cidade como para as universidades, deve-se sublinhar que nos últimos anos, a capital húngara costumava situar-se algures entre a 43ª e a 56ª posições. Esta queda pode ser o resultado do aumento súbito dos preços ao longo do ano passado.

No entanto, Budapeste é ainda a 8ª cidade estudantil mais barata do mundo, que foi um dos fatores decisivos na elaboração da lista, destaca eduline.hu. A propina média anual numa universidade de Budapeste é de cerca de 3.600 dólares (3.000 euros). De acordo com os cálculos da QS, um estudante médio pode viver com 600 dólares por mês, sem incluir o aluguer.

Os que criaram este ranking fizeram uma pesquisa exaustiva, uma vez que o Festival de Sziget, “os bares em ruínas”, museus e banhos termais foram todos utilizados como fatores de atração.

Porque é Budapeste a única cidade húngara classificada pela empresa, quando o país tem várias universidades famosas em muitas cidades que educam as gerações futuras? Em primeiro lugar, a QS considera apenas as cidades onde a população ultrapassa os 250 mil habitantes. Em segundo lugar, a cidade precisa de ter pelo menos duas universidades que tenham chegado ao último ranking mundial da QS. A cidade de Debrecen está próxima com os seus 200 mil habitantes, no entanto, nenhuma outra cidade além da capital podia cumprir o segundo critério.

Muitos fatores foram tidos em consideração na elaboração da lista final: a classificação mundial das instituições que operam na cidade em questão, a “mistura de estudantes” (a proporção de estudantes estrangeiros, por exemplo), a actividade laboral, a acessibilidade económica, ou mesmo circunstâncias gerais, como a segurança pública ou o nível de poluição atmosférica. A empresa considerou mesmo o índice de corrupção da Transparency International.

Fonte: DailyNewsHungary

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade