Budapest, Szeretlek!

por LMn

Por Nuno Rodrigo Reis

Desde que me lembro que sempre fui fascinado pelo mundo, por viagens, por fotografia e por conhecer novas culturas… queria correr o mundo, conhecer novas pessoas e, através da lente uma câmara, poder mostrar às pessoas o quanto fascinante o nosso planeta é!

Em Portugal eu era Professor de Educação Física. Decorria o ano de 2012 quando, após o final do ano letivo, falei com três amigos para poder realizar um dos meus sonhos que era o de fazer um Interrail pela Europa. Dois amigos não tinham tempo e o outro, financeiramente, disse que não era melhor altura. Sem medos, comprei o bilhete, arrumei as malas e fiz-me à estrada (aos carris neste caso).

Durante 1 mês e meio percorri grande parte da Europa, mas foi, a 24 de agosto de 2012, ao chegar à estação de Déli pályaudvar (vindo de Ljubljana) que a minha vida iria mudar para sempre!

Depois de uma viagem em comboio noturno de quase 8h, com uma mochila de 20Kg às costas e os sonhos de uma criança começo a dirijo-me ao castelo de Buda para me encontrar com o meu amigo João Cavaleiro que já vivia em Budapeste há uns anos e seria com ele que iria ficar hospedado por uns dias.

Era verão e o tempo estava fantástico. Recordo-me perfeitamente de andar pelas ruas da cidade e ficar apaixonado com a beleza da arquitetura em cada artéria da cidade, com as pessoas a jogarem e divertirem-se no Városliget, com a vista inexplicável do Bastião dos Pescadores, com a nightlife do Holdudvar e dos Ruin Pubs, com a sensação de relaxamento nos banhos termais de Szechenyi. Budapeste tinha entrado na minha vida sem estar à espera, sem aviso e sem pedir licença!

Foram 3 dias fantásticos, mas a minha viagem tinha de prosseguir e Cracóvia seria o próximo destino. Ainda viajei por mais 2 semanas mas depois tive de voltar a Portugal, não apenas por motivos profissionais mas também por familiares. No regresso já não era a mesma pessoa que partiu de Lisboa para cumprir um sonho de menino, não era a mesma pessoa que sonhava viajar e conhecer o mundo. No regresso já levava em mim uma bagagem de 20Kg e uma bagagem de novos sonhos! Tinha experienciado algo que jamais iria conseguir esquecer. Aterrava no aeroporto de Lisboa e, com Budapeste na alma, abraçava a minha família. Nem eles sonhavam ainda o que me ia na alma!

Profissionalmente sabia que a minha vida iria mudar. Despedi-me do colégio onde dava aulas e comecei a enviar o meu Curriculum Vitae para fora. Para fora? Sejamos sinceros… para Budapeste! Era lá que o meu coração tinha ficado e para lá que eu iria regressar! Ser professor na Hungria seria muito difícil, não só devido à língua mas também devido às condições salariais que um professor tem por lá. Assim sendo enviei o meu Curriculum Vitae para algumas empresas multinacionais que trabalhassem com Customer Support (trazia na bagagem 8 anos de experiência em Apoio a Cliente durante a Universidade e mesmo quando leccionava).

Não demorou muito tempo. Não tinham passado nem dois meses quando fiz a minha primeira entrevista via Skype. Logo de seguida, numa 4a feira, perguntam se eu posso atender a uma última entrevista pelas 9h de 6a feira no escritório da empresa sito na Eiffel Ter. A minha resposta foi imediata – “Lá estarei à hora marcada”. As horas seguintes foram passadas a marcar passagem de avião para o dia seguinte, a falar com o João para saber se poderia ficar na casa dele uma semana e, finalmente, ir a casa dos meus pais explicar o que se passava. Não vou aprofundar muito mas, para além de pensarem que eu era louco em ir a uma entrevista sem garantias que iria ser aceite (não ser aceite nunca foi uma hipótese na minha cabeça), ao verem o brilho nos meus olhos e o meu entusiasmo, de imediato descobriram que o trabalho seria em Budapeste e que nada nem ninguém me iria impedir de pelo menos tentar!

Estamos a 14 de novembro de 2012 quando me informam que gostaram da minha entrevista e que fui aceite para a posição de Customer Service Specialist na Agoda.com. A minha aventura Húngara começa aqui e tem uma data efetiva… 17 de dezembro de 2012! Foi esse o meu primeiro dia de trabalho na cidade que tomou o meu coração desde o primeiro momento!

Quase oito anos passaram. Não poderia ter escolhido melhor cidade sendo um apaixonado de fotografia. Cada canto desta cidade tem a sua magia e serve de costante fonte de inspiração. Budapeste é uma cidade com duas caras. De dia tem a energia de uma cidade multicultural que aprendeu com a diversidade, que mesmo passando por inúmeras crises de variadas naturezas e, com aspetos negativos claramente identificados, soube crescer de uma forma mais ou menos harmoniosa e sustentável. De noite Budapeste revigora-se e suas artérias enchem-se de gente de todas as idades e origens para viver a vida enérgica e boémia que a cidade tem para ofecerecer. Dos internacionalmente famosos Ruin Pubs aos ecléticos bares e restaurantes no Gozsdu Udvar, passando por sessões de Stand Up comedy, concertos ao vivo, espectáculos de teatro e ópera ou um concerto no Müpa. A cidade nunca dorme.

Durante os meus primeiros cinco anos em Budapeste vivi intensamente a versão noturna da cidade, aproveitei cada espaço e cada momento, mas também vi a sua mudança gradual. Vi com tristeza espaços icónicos como o Instant, o Kuplung ou o Ellátò Kert fecharem para darem lugar a novos luxuosos hotéis que servirão de pilar para o Turismo que continua a ser o principal negócio da cidade. Mas, em contraste, vi com alegria a fachada do Parlamento de Budapeste ser totalmente revigorada, praças como Széll Kálmán tér ou Nyugati tér serem totalmente renovadas, e até mesmo a ilha Margarida a ser rejuvenescida.

Amo Portugal pois é o país onde nasci, onde sempre fui feliz e onde, nunca se sabe, um dia voltarei. A minha família, que é a minha vida, está lá e a eles serei  eternamente grato pois tudo o que sou e tenho hoje é devido a eles e a todo o seu apoio. Sem eles, sem dúvida, não estaria aqui hoje.

Budapeste viu-me crescer como pessoa e como profissional elevando a minha proficiência a áreas que nunca sonhei. Passaram 8 anos e hoje, assim como quando esta aventura começou, tenho não apenas os sonhos de uma criança mas também as aspirações de um adulto que vive na cidade pela qual se apaixonou e, sem pensar duas vezes, para ela se mudou sem nunca olhar para trás! Budapeste e a Hungria são hoje a minha segunda casa!

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade