Através da esgrima um pouco de história desconhecida, curiosidade das relações bilaterais entre a Hungria e Portugal. No final, algumas informações dos nossos dias

por LMn

Por Zsolt Gulyás

No Outuno de 1934 a Federação Húngara de Esgrima recebeu uma carta de Portugal. A Federação Portuguesa de Esgrima dirigiu-se à sua congénere húngara com um pedido do Ministro da Guerra Português. Foi solicitado que Carlos Vidal de Campos Andrada, primeiro-tenente de artilharia, esgrimista da Academia Militar em Lisboa, pudesse realizar um curso de aperfeiçoamento na Hungria. Aceite o pedido, em dezembro, Campos Andrada chegou a Budapeste e começou a estudar esgrima „à Húngara” no Real Instituto Militar Húngaro „Toldi Miklós” de Professores de Desporto e Mestres de Esgrima.

Antes da sua chegada a Budapeste, o jovem primeiro tenente português já tinha estudado a História e Geografia da Hungria. Após os primeiros dias passados na capital húngara, falou com entusiasmo e simpatia sobre Budapeste e os habitantes da cidade. Os húngaros também rapidamente gostaram e até lhe atribuíram um cognome húngaro, pela pronúncia húngara do seu nome (Kampós András).

Fez a sua estreia perante o público húngaro a 10 de dezembro de 1934, num concurso organizado pela Federação Húngara de Esgrima. O evento teve lugar no grande salão do “Pesti Vigadó” e contou com a presença do Almirante Miklós Horthy e do Arquiduque Albrecht, entre outros. Como parte das competições individuais de películas masculinas, Campos Andrada “campeão de Portugal” enfrentou o húngaro Tibor Székelyhidy, “campeão da cidade de Viena”, campeão da Áustria em 1934.

Campos Andrada sofreu uma derrota de 7-5, mas logo pediu a possibilidade de uma desforra contra Székelyhidy. A Federação deu luz verde ao encontro, realizado no final de abril, com um resultado favorável para os portugueses, por 6:3. Conseguiu um resultado digno de respeito, tendo em conta que Székelyhidy ocupava o segundo lugar no campeonato húngaro de armas de alumínio em 1935 e participou nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936. Foi mesmo mencionado no diário “8 Órai Ujság” que Campos Andrada evoluiu muito durante a sua estadia na Hungria.

Em maio, o jovem português, diligente e popular, recebeu autorização especial para participar nos campeonatos de esgrima húngaros. O evento individual masculino do campeonato foi realizado no dia 26 de maio em Budapeste, Ilha Margarida. Campos Andrada mostrou boa forma, e ocupou o quinto lugar entre 29 concorrentes. Segundo o “Nemzeti Sport”, diário desportivo húngaro, lutou muito bem durante toda a competição e já era tão bom como os melhores esgrimistas húngaros.

Em junho participou numa competição de espada, organizada na cidade de Balatonkenese, localizada na margem do Lago Balaton. Conseguiu duas vitórias: venceu o Dr. János Hajdú, o primeiro campeão húngaro de folha de alumínio, por 10 a 8 e Kálmán Klell por 8 a 6.

Em agosto, em Budapeste, na Praça dos Heróis, colocou uma coroa de flores na Pedra Memorial dos Heróis, em nome do curso de educação desportiva da academia militar em Lisboa.

No início de 1936, a pedido de Gyula Gömbös, Primeiro-Ministro e Ministro da Defesa da Hungria, o primeiro tenente Carlos Vidal de Campos Andrada foi proposto para receber a Cruz de Mérito Húngaro, classe IV.

Campos Andrada escreveu dois livros sobre esgrima. Os livros “Lições de Esgrima” e “Bases da Esgrima Moderna” foram publicados em 1946 em Lisboa. Sobre o autor, a capa interna do livro “Bases da Esgrima Moderna” escreve que é capitão de artilharia, professor de esgrima na Escola de Esgrima do Exército, com um curso de formação e o Instituto Militar Húngaro Real “Toldi Miklós” de professores de desporto e mestres de esgrima.

Em 1947, o Campeonato Mundial de Esgrima foi organizado em Lisboa. No entanto, contrariamente às expectativas, os resultados obtidos pelos esgrimistas portugueses foram medíocres. Em 1948, nos Jogos Olímpicos de Londres, não conseguiram passar as primeiras eliminatórias e o público português ficou desapontado. Em 1949, as salas de armas em Portugal estavam quase desertas. O Capitão Campos Andrada, Mestre de Armas, membro da Comissão Administrativa da Federação de Esgrima, fez muitos esforços, elaborou planos de desenvolvimento para revitalizar o desporto de tradições prestigiadas. (Esgrimista português participou pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Estocolmo, em 1912. Em 1928, nos Jogos Olímpicos de Amesterdão, os esgrimistas portugueses ganharam medalhas de bronze. Foram necessários mais de 70 anos para que a esgrima portuguesa pudesse contar com um resultado de alto nível. Em 2000, no Funchal, Portugal ganhou medalha de ouro no Campeonato Europeu, em papel de equipa masculina, João Gomes ganhou medalha de bronze).

Campos Andrada teve uma carreira militar de sucesso, foi Comandante da Escola Prática de Artilharia em Vendas Novas, entre 1957 e 1959 e em 1960/61 e Director do Colégio Militar em Lisboa entre 1963 e 1966.

Segundo dados encontrados no portal de genealogia Geneall.net, Campos Andrada morreu em 1993 com a idade de 88 anos. A sua filha, Maria da Graça Andrada é uma médica de renome, especializada em pediatria e medicina física e reabilitação.

Campos Andrada não foi o primeiro mestre da esgrima que visitou a Hungria. Em fevereiro de 1914, José da Costa Amorim passou por Budapeste e aproveitou a oportunidade para medir forças com os esgrimistas húngaros.

Hoje, o madeirense Marco Gonçalves, campeão europeu de equipas em 2000, marido da florista húngara, campeã europeia Edina Kapek, trabalha na Hungria como treinador do Clube Honvéd de Budapeste e da equipa feminina húngara de Florete.

Budapeste, 18 de dezembro de 2020

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade