Aqui estão os 50 melhores restaurantes do mundo, incluindo São Paulo, Lisboa e vizinhos da Hungria

por LMn
image_pdfimage_print

Os 50 melhores restaurantes do mundo em 2023 foram anunciados em Valência, Espanha. O melhor restaurante do mundo é o de Lima, com um restaurante austríaco e um esloveno também no top 50.

Casa do Porco – 12º (São Paulo)

Belcanto 25º – (Lisboa)

A cerimónia de entrega dos prémios, realizada a 20 de junho, distinguiu talentos de 24 regiões dos cinco continentes, incluindo o restaurante mais sustentável e o melhor sommelier. O segundo classificado do ano passado, o Central Restaurant de Lima, ficou no topo do The World’s 50 Best Restaurants 2023, com dois restaurantes espanhóis, o Disfrutar em Barcelona e o Diverxo em Madrid, a ficarem em segundo e terceiro lugares, respetivamente. O menu do vencedor sul-americano presta homenagem à história e às tradições do Peru, refletindo a diversidade única de ingredientes indígenas do país e os objetivos de sustentabilidade do estabelecimento, sob a direção dos chefes Virgilio Martinez e Pía León.

A equipa vencedora do restaurante Central de Lima na cerimónia de entrega dos prémios, com os chefes Pía León e Virgilio Martinez no centro

Foto de The World’s 50 Best Restaurants

 

A América do Sul reforçou ainda mais a sua posição na gastronomia internacional, com nove restaurantes do continente representados no top 50. Além disso, sete locais asiáticos também figuram no ranking, mas a Europa continuará a dominar a classificação em 2023. Uma boa notícia para os apreciadores de comida local é que basta viajar até aos países vizinhos para ter uma excelente experiência gastronómica: o restaurante Steirereck, em Viena, está classificado em 18.º lugar e o Hiša Franko, em Kobarid, na Eslovénia, em 32.º. Para além dos dez primeiros, foram anunciados vários vencedores individuais na 21.ª Gala:

Pía Salazar, do restaurante Nuema, em Quito, foi nomeada a melhor pasteleira do mundo, enquanto Ángel Millán, do Diverxo, em Madrid, foi eleito o melhor sommelier. O restaurante Fyn, na Cidade do Cabo, ganhou o prémio Flor de Caña Sustainable Restaurant Award, enquanto o Alchemist, em Copenhaga, foi galardoado com o Gin Mare Art of Hospitality Award. O prémio Estrella Damm Chef’s Choice Award, votado pelos principais chefes de cozinha do mundo, foi atribuído a Julien Royer, do Odette, em Singapura. O restaurante Table by Bruno Verjus, em Paris, estreou-se em 10º lugar, ganhando o prémio Best New Entrant. O estabelecimento que melhorou mais lugares foi o Atomix, em Nova Iorque, que subiu 25 lugares em relação ao ano anterior.

Quem vota?

Patrocinada pelas marcas de água mineral premium S.Pellegrino e Acqua Panna, a lista deste ano dos The World’s 50 Best Restaurants é votada por uma Academia de 1080 especialistas internacionais e foodies que viajam pelo mundo. No total, o painel está dividido em 27 regiões distintas em todo o mundo, com 40 membros cada e um equilíbrio entre géneros. Como salientam na sua declaração, nenhum patrocinador do evento tem qualquer influência no processo de votação. A lista é revista pela consultora profissional Deloitte, incluindo uma classificação de 51 a 100, o que garante a integridade e a credibilidade da lista resultante.

Os locais gastronómicos emblemáticos que tenham ficado anteriormente entre os 50 primeiros, demonstrando o seu valor, serão incluídos no Hall of Fame dos Melhores entre os Melhores a partir deste ano. O restaurante Geranium, vencedor do ano passado, e o lendário Noma, em Copenhaga, que tem três estrelas Michelin, fazem parte do clube de elite.

 

Fonte: Folha de São Paulo (foto) e Turizmus.com

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade