Anedotário de Molnár Ferenc – Margit Vészi 1885–1961

por Arnaldo Rivotti

O casamento, segundo Molnár

“Na minha opinião, os cônjuges precisam habitar definitivamente em quartos separados. Mais ainda: em apartamentos separados; melhor ainda: em cidades separadas.”

“A esposa é como um monóculo. Elegante de usar, mas sem ele enxerga-se melhor.”

“Marido é um conceito coletivo: a soma de todas as coisas que uma mulher sente falta no casamento.”

Margit Vészi 1885–1961

József Vészi, foi chefe de Molnár no periódico Napló, à época o mais influente editor na Hungria. Pertencente à alta burguesia de então, Vészi organizava e animava reuniões sociais, em que acolhia brilhantes jovens inteletuais. Molnár, era convidado frequente, familiarizando-se com uma das filhas de Vészi, Margit, nestas reuniões. Quando se encontraram, Margit tinha apenas dezasseis anos, mas tinha já atraído a atenção como escritora e artista por direito próprio.

Ferenc e Margit cortejaram-se por seis anos antes de se casarem finalmente em 1906. O casamento foi um acontecimento social esplendoroso, e um ano mais tarde tiveram uma filha, Márta. Nesta altura, no entanto, o casamento já estava a declinar. A biógrafa Clara Györgyey escreveu sobre o casal: “Ambos eram estrelas, e como só podia haver uma estrela a incompatibilidade era óbvia… A separação foi tão rápida uma vez que o namoro tinha sido longo”. Depois de Molnár se ter separado de Margit, começou a adquirir outra reputação para complementar os seus dotes intelectuais: ele veio a ser conhecido como um ardente admirador das mulheres, sempre envolvido em algum tipo de caso ou quezília.

Apenas alguns meses depois de se ter separado de Margit Vészi, envolveu-se com Irén Varsányi, a principal actriz da Hungria. Na altura, Varsányi era casada com um fabricante rico, Illés Szécsi.

O público aceitou que a peça de Molnár “O Diabo”, no qual uma actriz é tentada a abandonar o seu insípido marido, foi escrita para Varsányi. Quando O Diabo foi representado pela primeira vez em 1907, Molnár ganhou fama internacional, tornando-se membro da Sociedade exclusiva Petőfi de Budapeste. A fama de mulherengo também lhe valeu uma pena de prisão de duas semanas após um duelo com o marido ciumento Varsányi.

Fantasias “goyaescas” de guerra

Conforme relata o portal lho.es, Margit Vészi era uma jovem invulgar. Uma amiga de liceu, Zsófia Dénes – que mais tarde se tornou uma escritora e jornalista muito popular – lembra-se dela com estas palavras:

“Margit Vészi que conheci no ano da ascensão do modernismo húngaro, em 1900. Tínhamos quinze anos de idade. No primeiro dia de aula olhei à volta da sala de aula e reparei numa rapariga. A sua estatura era como a de qualquer outra pessoa. Mas da sua cabeça irradiava inteligência e talento. Era a cabeça de uma rapariga que tinha coragem e vontade.

A amizade de Zsófia Dénes não foi a única coisa que Margit Vészi perdeu com o seu casamento com Ferenc Molnár, o famoso dramaturgo da época. Devido aos maus tratos sofridos desde o primeiro dia de namoro, ela perdeu a confiança em si própria e na sua arte, na força protetora da sua família e amigos. A história de Vészi não é no mínimo diferente da de milhões de mulheres maltratadas. No entanto, aqueles que se lembram dela como uma jovem multi-talentosa que “acabou por se revelar medíocre” e “não sabia como desenvolver o seu potencial artístico” nunca perguntam as razões de um tal fracasso, nunca se perguntam como é que uma jovem mulher de tão boa família e com tanta capacidade intelectual não se tornou uma personagem que deixou uma marca indelével na vida cultural da Hungria?

Vészi tentou terminar com o dramaturgo Molnár várias vezes, mas a sua comitiva – especialmente o poeta Endre Ady, que a tinha cortejado – sempre a persuadiu a regressar. Casaram em 1906, e um ano depois Vészi, já grávida, separou-se de Molnár. Mas até ao divórcio final em 1910 ela voltou para ele sete vezes. Molnár escreveu o seu drama mais famoso, Liliom, como uma explicação (ver The Apology for Mistreatment – The Success of Ferenc Molnár’s Drama Liliom in LHO).

Uma vez livre, mudou-se com a sua filha para Paris, onde estudou canto e pintura. Rebelde e independente, tentou ganhar a vida com a sua arte e vender os seus quadros. Uma vez andou por Paris com um homem nu amarrado nas costas em busca de uma galeria de arte que o comprasse. Em 1912 passou uma temporada em Berlim, onde conheceu o compositor de ópera Giacomo Puccini, que foi seduzido pela sua inteligência e personalidade. As suas cartas falam de uma atração para além da amizade.

“Seria maravilhoso poder voar até ao seu estúdio e falar consigo, tenho a sensação de que a minha alma ecoa na sua. Compreendeu-me tão bem que é o único que me pode pesar até ao último miligrama. Compreendem-me intuitivamente, penso eu, e conhecem todas as “nuances” dos meus estados de espírito. É por isso que eu quero estar convosco. Precisaria para a minha arte – que se baseia no espiritual – de um guia, de uma alma que me compreenda. Podias ser meu conselheiro, mas, infelizmente, estamos tão afastados e é tão difícil para nós aproximarmo-nos” – escreveu Puccini a Vészi, de Itália.

Mais tarde, na década de 1920, quando Vészi vivia em Itália, tentou vender a Puccini o libreto de Liliom, o drama do seu ex-marido. Mas nessa altura o compositor já estava a trabalhar na sua última ópera, o Turandot, que ficou inacabada por causa da sua morte.

Vészi guardou as cartas de Puccini e antes da sua morte enviou-as à sua irmã que vivia em Londres, dizendo que se um dia alguém da família (daqueles que tinham ficado na Hungria) precisasse de dinheiro, poderia leiloá-las. Em 1966 este dinheiro foi utilizado para que o seu neto Ádám Horváth, realizador de cinema, pudesse passar quatro meses em Londres nos estúdios da BBC e frequentar um curso de formação. Embora Vészi tenha vivido em profunda pobreza quando cresceu, não lhe ocorreu gastar o dinheiro para melhorar as suas circunstâncias.

De 1912 a 1914 foi correspondente em Paris e Berlim de vários jornais húngaros, o Pester Lloyd e o Est. Quando rebentou a Primeira Guerra Mundial, decidiu visitar a frente de batalha. Vészi foi a primeira e única correspondente de guerra feminina húngara entre 1914 e 1919.

Embora o tom impressionista dos seus artigos tenha sido interpretado como um estilo “feminino” e “íntimo”, os revisores do seu trabalho Europa em chamas [Égő Európa], que foi publicado em 1915 e incluiu os seus relatórios da capa, reconheceram que ela tinha um aspeto fresco e surpreendente. Era apaixonada pela ética do jornalismo de guerra. Não só escreveu como também desenhou caricaturas de correspondentes, enfatizando a sua falta de neutralidade e objetividade.

“Estou à espera ansiosa e desconfortável: a profissão de jornalista parece-me agora uma indiscrição de intrometidos. Contemplar a imensa miséria humana impotente perante ela, observá-la como se fosse um mero objeto de reportagem! Que espetáculos atormentadores me esperam, a visão de uma enorme massa de inválidos será horrível, digna da arte de Goya!”

Antes de os movimentos anti-guerra ganharem impulso, Vészi publicou um longo artigo sobre o pacifista Romain Rolland, por ocasião da atribuição do seu Prémio Nobel da Literatura, no qual defende a ideia da paz mundial em nome do humanismo.

“No início, todo o estilo me pareceu estranho: tive de insistir em dizer a mim mesmo repetidamente que estes acontecimentos não eram tão inocentes como pareciam, que os episódios alegres tinham um tom sombrio: destruição, afundamento, a ruína de vidas e bens” – escreve sobre os acontecimentos de guerra num dos relatórios.

Em 1918 publicou outro livro de memórias de guerra com o título On the Way [Útközben], e no ano seguinte mudou-se para Itália com a sua filha. Aí conheceu o Barão Paolo Mantica, um anti-Mussolini socialista, com quem se casou em 1923. Na década de 1920, ela e o marido envolveram-se em círculos socialistas. Ela criou uma agência literária e tentou vender os direitos de tradução de vários autores húngaros.

Infelizmente, a segunda parte da sua vida está muito menos documentada. Sabe-se que o seu casamento com o barão socialista estava a arrefecer (Paolo Mantica morreu em 1935) e ela mudou-se para os Estados Unidos. Mais uma vez tentou ganhar a vida com a sua arte como dramaturga em Hollywood. Escreveu vários guiões de filmes de sucesso. Para além do seu trabalho na indústria cinematográfica, continuou a escrever relatórios sobre Hollywood para revistas húngaras.

No final dos anos 30 e início dos anos 40, muitos dos seus contemporâneos procuraram refúgio em Nova Iorque. Entre eles estava o seu ex-marido, o dramaturgo Ferenc Molnár, com a sua mulher na altura, a actriz Lili Darvas. Na última década da sua vida Molnár sofreu de depressão, e quando ficou doente Vészi cuidou dele.

O que aconteceu a Vészi entre 1940 e 1960? A dada altura trabalhou num armazém de Nova Iorque no departamento de vasos de porcelana. Mais tarde, quando estava com o salário mínimo de Hollywood, viveu numa pensão barata. Embora mal tenha chegado ao fim, enviou dinheiro ao seu neto, o escritor Mátyás Sárközy, que após a revolução húngara de 1956 emigrou para Londres.

Em 1960 mudou-se para Alicante porque a pensão que recebia dos Estados Unidos não era suficiente na Espanha dos anos sessenta. Viveu num hotel barato e decrépito. Um dia, um navio atracou no porto e um homem entrou no hotel. Ela estava a descer as escadas precisamente no momento em que reconheceu o homem que antes da guerra possuía uma loja de roupa interior feminina na Rua Váci. O Sr. Breichner reconheceu-a de imediato. Para além de algumas anedotas alegres como esta que ela contou nas suas cartas ao neto, Vészi levou uma vida triste e solitária.

O seu neto, Mátyás Sárközy, que se tornou escritor, diz que Vészi se matou num dia chuvoso e sombrio de Inverno em Palma de Mallorca. Outras fontes afirmam que ela morreu a 11 de julho de 1961 em pleno Verão no seu hotel em Alicante.

A carreira de Margit Vészi é a de “a nova mulher” que surgiu na primeira parte do século XX. Ela viveu uma vida que, por um lado, se caracterizou pela constante luta pela independência e reconhecimento; por outro, pela aceitação das normas que lhe foram impostas por uma sociedade de valores masculinos. A vida de um artista multifacetado que merece ser contada e não esquecida.

Fontes consultadas:

Pim.hu

https://www.shakespearenj.org/OnStage/current/Guardsman/Documents/Guardsman%20KTS%20FINAL.pdf

http://lho.es/

Anedotário de Molnár Ferenc – Darvas Lili

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade